quarta-feira, 23 de abril de 2008

Famílias confusas...

Família, melhor não tê-la, mas sem tê-la como sabê-la? Tá bom, parafrasiei a frase dos filhos, mas cabe um pouco em família, aquela que a gente nasce dentro dela, não a que escolhemos, esposa, marido etc... Eu fico pensando em quantas dores de cabeça nossos pais, irmãos, tios, avós podem nos trazer. É certo que têm famílias que funcionam muito bem, mas a verdade é que de perto ninguém é normal, já dizia Caetano Veloso.

Eu nasci numa família pequena. Sou caçula e tenho um irmão. Mas privilégios de caçula nunca tive nenhum. Meu irmão sempre foi o macho alfa da matilha. Queridinho da mamãe e admirado pelo papai, ele cresceu com um ego de elefante, achando que o mundo girava em torno dele. Eu fui mais pro lado de gata borralheira mesmo, aquela que lavava o banheiro, catava o lixo da casa e servia os patrões , ops, familiares. Elogios sempre foram todos para meu irmão lindo e bem sucedido.

Crescendo num ambiente assim a criança acredita que não merece nada do mundo e da vida e a auto estima é zero.
Talvez por esse cenário eu tenha ligado o botão do foda-se! Se fazia algo legal ninguém elogiava, se fazia algo errado era criticada ao extremo. Então achei que era melhor assumir meu posto de ovelha negra e sair fazendo uma merda atrás da outra.

Aprontei muito! Mais quando tinha dezoito anos do que com quatorze. Com quatorze eu só tinha medo do mundo e vergonha de mim mesma. Aos dezoito ganhei asas e fiz muita M mesmo! Das quais não me arrependo, serviram para me amadurecer.

Num determinado momento achei que era injusto comigo mesma continuar acreditando no que minha família me dizia, que eu era uma fracassada que dei errado. Parei de fazer merda e comecei a constuir meu próprio caminho, que obviamente era muito mal visto por eles, já que tudo que fazia ou tentava, gerava fracasso, na visão deles. Fechei meus ouvidos e segui em frente.

Resumindo. Hoje minha família é minha mãe, por quem tenho amor e quem ainda me dedica amor. Mas o respeito e amor da minha mãe foi conquistado a duras penas. Hoje me sinto feliz distante deles. Sinto uma pequena revolta lá no fundinho da alma, por eles terem me detonado tanto e por eu ter tido problemas de auto estima durante toda minha vida, muito por conta disso. Mas posso dizer que dei a volta por cima, não sou um exemplo de ego bem formado, mas cada dia meu amor próprio está melhor. Até porque mantenho a distância necessária da minha família. Morar sozinha foi um santo remédio em todo esse processo!

Se a sua família te detona! Não a odeie, procure o máximo de distância necessária para que eles não tenham acesso a sua auto estima e tente construir sua vida da maneira que acha legal!

Acredito que a gata borralheira pode até não virar uma princesa, mas uma dama da sociedade com certeza!

_#_#_#_#_#_

Meu blog anda com temas tão sérios! No próximo vou colocar um tema mais polêmico! Essa minha necessidade de criar polêmicas é algo que anos de terapia só me trouxeram respostas parciais. Eu bem que tento ficar quietinha, mas quem já me conhece dá uma futucada só pra eu sair do casco... rs. E PARA RELAXAR, aí vai algo que li num perfil do Orkut e achei 1000!!!


Nós mulheres somos fodas:

• Não ficamos carecas
• Temos um dia internacional
• Sentar de perna cruzada não dói
• Podemos usar tanto rosa como azul
• Temos prioridade em boates ou em qualquer lugar
• Não pagamos a conta, no máximo rachamos
• A programação da TV é 90% voltada para nós
• Se somos traídas somos vítimas, se traímos eles são cornos
• Mulher de embaixador é embaixatriz, homem de embaixatriz não é nada
• Se resolvemos exercer profissões predominantes masculinas, somos pioneiras
• Mas se um homem exerce profissão tipicamente feminina é bicha
• E por último, fazemos tudo que um homem faz só que com um detalhe: DE SALTO ALTO
.

Homens! Não fiquem chateados comigo, é só uma brincadeirinha...rs

22 comentários:

  1. poooooxa, doido. tinha escrito um comentário imenso de grande, mas deu erro "/ me lembro de poucas coisas, mas vamos lá...

    falava que, fora o episódio dos ovos comprados e postos embaixo da galinha (hahahahahahahahahahaha), tua infância fora muito ácida.

    eu sou irmã mais velha, então prefiro não acreditar que essa opressão toda tenha se dado por conta de tua "caçulisse", mas sim por tua condição de menina.

    já parou pra ver quantas pessoas, ao especularem sobre seus futuros e possíveis filhos, em sua maioria, falam em filhos, assim no masculino? afinal, "os homens é que levam o nome da família adiante". tsc.

    mas a culpa acaba nem sendo dos meninos, e sim das famílias que acabam formando pessoas assim, como teu irmão. há pouco tempo escrevi um texto chamado "meninos que dão em árvore" (está lá pelo meu blog) e, entre outras lembranças de infância, falo dessa educação diferenciada a meninas e meninos, que se dá de forma desnecessária.

    sobre ser independente... gente, eu achava que aos 18 anos eu teria meu carro e um apartamento. moraria sozinha. tenho 20 anos e não tenho nem mesmo habilitação ou um quarto só meu. rs.

    mas independência é bom demais. provei dela um tanto quanto cedo, até. ela não se dá em morar, mas em por a mochila nas costas e viajar por aí de vez enquanto. papai não gosta muito (talvez se eu fosse um menino, ele nem falasse nada), mas... fazer o que, né?

    rs. gente. teus textos aguçam minha não capacidade de síntese. rs. tenho que começar a treinar isso e deixar comentários menores. rs. beijo e obrigada pelo comentário engraçado no texto dos pintos. (=

    ResponderExcluir
  2. Gostei do enfoque. Tudo tem uma saída. Todos temos um pouco de ovelha negra nesta ou em outra fases de nossas vidas.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Familia é para quem precisa de familia.
    Duas pessoas são para mim uma multidão prestes a fazer revolução.
    Não precisei aprender a ser só, como diz a canção, sou autodidata.
    A sessão está encerrada, o divã pode quebrar.
    Adoro teu jeito de escrever.
    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Q bom q vc foi FORTE pra superar tudo isso q aconteceu ctg !
    E não pense q é pq vc é a caçula da casa não.
    Filho mais velho sofre .
    E eu sou. Minha irmã tem 17 anos .
    Se eu deixo de fazer algo, nossa ... Sou exculaxada .
    Agora, ela ? Se deixa de fzr algo, nem falam naada .

    Eu acordo tarde e sou preguiçosa sabe ? QUERO NAAADA c. a viida !

    Preciso fzr igual a vc.
    Tomar RUMOS !

    Bjiinhus =)

    p.s: polemicos nada, vc só escreve o q tem vontade. A graça do blog é essa . Escrever o q ta afim !

    ResponderExcluir
  5. p.s: te favoriteii no meu !

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. "Sentar de perna cruzada não dói"...hehehe..essa liquidou com a fatura.

    ResponderExcluir
  7. Adorei isso que tu viu num perfil no orkut! HAHHAHAHAHAHAHAHHA

    ResponderExcluir
  8. Sei bem como é familia que detona auto-estima...

    ainda bem que existem psicologos...

    e eu serei mais um daqui uns meses!

    beijos

    ResponderExcluir
  9. nossa m indentifiquei muito com o texto.Parente é uma coisa!Ou uma "benção" como diz a minha avó.Toda vez que meu cel toca e vejo que é parente, eu penso f*** coisa boa não é.
    p.s. claro nós mulheres somos freud!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu sou filha única, mas sempre morei muito perto da casa da minha avó, então as comparações com minha prima que mora com eles sempre foram as piores possíveis. Eu sempre fui a ovelha negra, desisti de tentar mudar essa impressão.


    :*

    ResponderExcluir
  11. Eu me senti autora do seu texto. Comigo foi tudo igual, mas pior: eu sou a mais velha. Meu irmão nasceu 5 anos depois de mim, e além de caçula, era o filho homem. Minha mãe sempre foi super exigente comigo, com comportamento, notas na escola, organização, postura, caráter religioso, até com relação a cuidados pessoais e estéticos, vive dizendo: "não come isso", "não faça isso com o cabelo", etc. É por isso que hoje sou neuróticamente exigente comigo mesma. Passei a infância e a adolescência inteira nessa de gata borralheira, limpando casa enquanto meu irmão dormia. Hoje, felizmente estudo e trabalho, moro durante a semana na casa da minha vó. Só nos fins de semana vou pra casa. Ela não tem mais tempo pra implicar tanto comigo.
    Meu irmão é um boa vida, não faz nada, é péssimo na escola, não gosta de trabalhar etc. E mesmo assim tem toda proteção e apoio dos meus pais.
    Também tenho uma irmãzinha de 3 anos, que ao nascer tirou o resto da atenção que eu tinha dos meus pais.
    Mas uma coisa eu agradeço a eles, se não fosse por essas cobranças e implicâncias todas, talvez eu seria tão péssima e inútil quanto o meu irmão.

    Meu sonho, desde criança é morar sozinha, e é pra isso que tenho lutado...

    Só com esse texto pra levantar o ego das mulheres me senti confortada depois dessas questões que me revoltam.

    hahahaha... é verdade você tem um senso polêmico impressionante.

    Adoro! Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Olá Dama! Eu adoro os temas que você aborda!

    Família é algo complicado mesmo! Ao mesmo tempo que temos momentos ruins com ela, temos momentos bons! Creio que as diversas crises que as pessoas têm com as suas famílias, sejam por causa das semelhanças que elas têm com as mesmas. E isso eu só fui perceber, depois de 3 anos de terapia. Criticamos a nossa família, ela nos afeta tanto pois no fundo somos "iguais"... tipo aquela trecho da música do Renato Russo: "Você me diz que seus pais
    Não lhe entendem ... Mas você não entende seus pais... Você culpa seus pais por tudo
    E isso é absurdo
    São crianças como você..." Acho que depois que passamos a compreender os nossos familiares, claro, sem deixarmos de ser nós mesmos e tal, entender é diferente de se submeter, né? ... tudo passa a ser mais tranquilo....=)
    Eu também sou caçula .. bemmmm caçula mesmo ... meus irmãos (tenho 3) são bem mais velhos, pra vc ter noção, quando eu nasci, a minha irmã mais velha tinha 20 anos ... enfim... eu sempre fui mt mimada por todos, inclusive pelos meus irmãos... até que um belo dia eu cresci e resolvi ser eu mesma... tipo, eu nem sabia qual era a minha "identidade"...e foi ai que os problemas começaram... pois todos queriam que eu fosse o espelho deles... ai sim começou a luta... ainda não está 100%...mas já consegui criar um bom espaço aqui em casa... estou conseguindo ser eu mesma... mesmo sendo tb a "ovelha negra" da família... como diz alguns aqui em casa...

    Beijão!

    Ah, é verdade... nós mulheres somos fodas! =P

    ResponderExcluir
  13. Todas as famílias têm seus problemas e questões, lá em casa meu irmão mais novo é o protegido, mas não o culpo, talvez pelo fato de ter asma, minha mãe o proteja tanto. Mas, família é tudo na vida de uma pessoa, na criação de caráter e tantas outras coisas.
    Graças à educação que a minha família deu a mim e a meu irmão, somos o que hoje eu me orgulho: pessoas do bem. E tenho muito orgulho dos meus pais, eles são meu porto seguro...


    Legal o teu espaço, parabéns!

    Convido a visitar o meu blog =)

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  14. Comigo a coisa muda de figura. Sou a caçula e não fui protegida. Aliás, o contrário! Haha. Nunca falo dos meus irmãos, porque… Não há o que falar. Minha irmã era o modelo de filha perfeita. Eu sempre me esforcei ao máximo para me igualar ao tal modelo, só que, ela e eu somos muito diferentes e ela não entende isso muito bem. Eu sou cheia de defeitos e, sinceramente, não me esforço ao máximo para mudá-los, porque eu gosto deles (e não gosto também). Mamãe é adepta as comparações e isso sempre me deixou meio mal. Mas a minha irmã também foi uma fodida na vida, aliás, somos parecidas em alguns pontos mesmo. Daí que eu comecei a fazer merda atrás de merda e ela também. E aí a gente ficou mais parecida, mas ainda somos muuuuuuito diferentes. Resultado: ela mudou radicalmente do modelo perfeito e aí, pra eu não ficar que nem ela, minha mãe cobra muito mais de mim. Alto estima nem sei mais se existe em mim. Enfim, isso aqui não é consultório. Hahahaha.
    Mas eu achei até bom, sabe? Porque ai o ego enorme de caçula que eu deveria ter foi pro ralo e sabe que isso é uma coisa muito bonita?

    Mas o problema não é a minha mãe, tem as irmãs dela, as tias. Jesus Cristo, adoram palpitar em tudo. Meu pai, bom, o meu pai me trata como um garotinho, visto que ele só tem eu como filha e o resto é tudo homem. É engraçado. Já aceitei meu posto de ovelha negra. E estou bem feliz. Hahaha. (três irmãos por parte de pai e uma por parte de mãe, irmão, pô)

    P.S.: Nem sei o que foi aquele post de ontem. Quando terminei de escrever tudo já tinha passado todo aquela foda-se o mundo.

    ResponderExcluir
  15. Família é sempre muito complicado... pode ser ótimo e pode ser desastroso para a auto-estima. Melhor mesmo é manter distância a partir de uma certa época da vida.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  16. É tão engraçado como a gente insiste em reconhecer, e relembrar e reconstruir as marcas de nossa infância. Tinha escrito sobre esse tema no meu blog na semana passada. E tinha pensado cá comigo que a chave era o perdão mesmo. Porque hoje já utilizo o perdão como caminho para compreender melhor a minha mãe, mas principalmente a mim mesmo diante de meus filhos.
    Esse é o grande barato. A gente sempre pára de fazer merda quando amadurece o suficiente para ver que o timão desse navio está nas nossas mãos. Estejamos em mar de tormenta ou de calmaria, somos nós mesmos - com perdão, inclusive - que vamos dar a direção e o rumo dessa grande viagem.

    bjs. E continuo escrevendo os temas mais rascantes. Eles abrem a nossa cabeça para os nonsense também.

    Veronica

    ResponderExcluir
  17. Que sucesso, Grande Dama, teu blog.
    Acho que cedo ou tarde vais precisar de um empresário.
    Vê só, começaríamos por taxar os comentários, os fãs entenderiam( o vinho do Porto está pela hora da morte)e aceitariam, para isso serve o culto à personalidade, depois palestras gravadas em dvd com programas de tv.
    Bonequinhas iguais à nossa bela Dama na posição da foto maravilhosa do blog, vendendo mais do que pão quente, e as criancinhas plantando bananeira para ver seu rosto, face to face.
    Os bundões federais, estaduais e municipais faturam horrores às nossas custas, nós às custas de nosso humor e criatividade mereceríamos o dobro. Blogs pagos Já ( pelos cofres públicos ),com o que sobra para a corrupção.

    beijo

    ResponderExcluir
  18. Como ja dizia na música do Teatro Mágico:

    "Família é uma coisa complicada, quem não gosta mora ao lado e o mais velho mora só..."


    beijos

    ResponderExcluir
  19. Ah, eu não tenho muita afinidade com a minha família não. Família no sentido "pai, mãe e irmã". Não gosto de falar muito no assunto, até porque as pessoas acham que eu sou super malvada. Hahaha.
    Mas não acho que sejamos obrigados a amar loucamente pai e mãe, não é?

    Eu tinha uma lista enooooorme das vantagens das mulheres sobres os homens, hilária demais.

    E adoro seus assuntos polêmicos!
    :*

    ResponderExcluir
  20. Minha familia é meu pai e minha mãe, o resto são aparentados. Já trabalhei com familia e vi o problema q é, mantenho os laços, mas naum muito apertados.

    ResponderExcluir
  21. Nosso histórico familiar é parecido e eu também precisei de bastante terapia e ainda estou construindo minha auto-estima, a duras penas, porque, por mais que eu tenha me afastado, nunca briguei com ninguém, então fica difícil detonar todo mundo!!
    Ultimamente consigo me desvencilhar das armadilhas de meu pai mas ainda dói um pouco...
    Esse textinho das mulheres tá ótimo!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir

Eu sempre vou respeitar sua opinião, mesmo que não concorde com ela. Então, por favor, respeite a minha!

Comente com civilidade!

Se seu comentário foi recusado, certamente a explicação está aqui:

http://confissoes-femininas.blogspot.com/2011/07/comente-com-educacao.html