terça-feira, 25 de março de 2008

Fidelidade...

Tenho pensado muito sobre fidelidade ou infidelidade nos relacionamentos. Aliás, não é nem que esteja pensando tanto, é que tenho lido entrevistas e as pessoas andam discutindo isso a minha volta.

Estranha como sou, meu conceito de fidelidade é mais emocional do que simplesmente transar com uma outra pessoa. Já tive um homem na minha vida, que amei muito, foi um caso de amor daqueles bem apaixonados. Num determinado momento, acho que pela nossa imaturidade, resolvemos colocar mais pessoas dentro desse relacionamento. Era pra ser eu e ele fiel em nossos sentimentos e os outros entrariam como um divertimento, transas ocasionais. Foi um jogo extremamente perigoso que não aconselho a ninguém. Nós experimentamos tantas pessoas que ele acabou se encantando por uma dessas e foi embora. Eu fiquei mal me sentindo traída, mas sabia que não podia reclamar muito, afinal era um risco do nosso acordo.

Atualmente namoro um cara que tem um conceito de fidelidade bem flexível, assim como eu. Não "traio" ele com ninguém e acho que a recíproca procede. No entanto, conversamos abertamente sobre a possibilidade disso acontecer. Porque entendemos que os seres humanos não deixam de sentir atração por outras pessoas, mesmo estando dentro de um relacionamento fechado e que ocasionalmente se sentir atraído ou até mesmo beijar ou transar com outro alguém, não caracterizaria uma traição. Trair seria se envolver sentimentalmente com outra pessoa.

Interessante é que percebo que a grande e esmagadora maioria não pensa como a gente. E nós não conseguimos entender ciúmes possessivos de corpos, como se estar sexualmente com outros pudesse valer a pena terminar nosso relacionamento.

Eu sempre senti assim, sempre fui pouco ciumenta e mesmo tendo me dado mal no outro relacionamento, não consegui ver a questão da fidelidade de modo fechado.

Ok! Que venham os ovos podres, tomates estragados, agressões psicológicas, porque sei que esse tema é bastante polêmico...

17 comentários:

  1. Ai, posso falar? Adorei!

    Eu não sou adepta aos relacionamentos neurótico-psicóticos que tenho visto por aí. As pessoas querem tanto prender os parceiros que acabam aguçando a curiosidade dos mesmos para o mundo "proibido". Também confesso não ter a mente tão aberta á ponto de deixar que meu parceiro se relacione "corporalmente" se é que você me entende, com outra pessoa, pois como você mesma disse, o risco é de que ele venha se encantar por uma dessas eventuais brincadeiras e se relacionar emocionalmente também pois não podemos prever nossos sentimentos. Entretanto, acredito que se há confiança o bastante na outra pessoa e no seu próprio taco, acaba sendo bem legal porque isso só vai fazer com que o outro se ache mais apaixonado por você, pois verá que as outras pessoas só podem proporcionar meras aventuras e momentos de prazer físico, enquanto com você pode se sentir completo.

    Bem, é um caso bem polêmico mesmo mas convenhamos, muito recorrente.

    ResponderExcluir
  2. Aproveitando quero agradecer a visita e comentário. Muito válida a sua experiência, apesar de dolorida.
    Sempre fui muito exigente comigo mesma e com os outros também (o que é bem pior). Não sei o que tá faltando acontecer para que eu tome jeito, talvez precise de um tratamento de choque também.

    Enfim, virei leitora, viu?

    Outros.

    ResponderExcluir
  3. Sabe, não acho que exista um padrão para caracterizar traição.
    O que importa é a circunstância em que o ato aconteceu.

    Pra mim, se eu tivesse um relacionamento físico com alguém, seria traição. Pois se eu cheguei ao ponto de me entragar a outro alguém, é porque este mexe seriamente comigo. Rs.

    Eu simplesmente não consigo trair. E mesmo que eu não goste mais da pessoa com quem estou, é questão de respeito, sabe? Questão de machucar menos.
    Pois convenhamos: Terminar um relacionamento vai machucar de qualquer jeito. Mas machuca muito mais quando sabemos da traição. No meu caso, claro.

    Mas, talvez assim como você, acho que é "mais traição" um envolvimento sentimental forte do que simplesmente o sexo. Pois existem pessoas que conseguem ir pra cama com alguém sem sentir nada além do que uma simples atração.

    Ai Deus, isso é complicado. É de cada um, não adianta. Depende da situação. É tudo muito único.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Oh uau! Estou add seu blog pq simplesmente adorei mesmo seu jeito de escrever. Enfim...Nada posso muito opinar sobre tal assunto, meu conhecimento é pequeno quando se trata de relacionamentos, a ala masculina de Lost é muito primitiva ainda. Mas posso dizer q teoricamente não sei se sou capaz. Nem de perdoar e nem de ser fiel. Beijos querida!

    ResponderExcluir
  5. Pensar que um relacionamento pode ser construído com um conceito de fidelidade "novo" é bom e é ruim.
    A traição de corpos, pode não ser tão dolorosa (ou nem chegar a isso). Mas ainda sim pode ser vista como traição se feita por debaixo dos panos ou escondida até o último momento da relação. Enquanto deixar envolver sentimentalmente um(a) terceiro(a) é algo extremamente complexo. Não é apenas físco é algo que leva a pensar o porque de tudo aquilo. Será que não fiz direito, será que fiz alguma coisa errada, por que isso aconteceu comigo!? Pensamentos com grande doses de masoquismo no meio. Pois no fundo o ser humano gosta de torturar-se psicológicamente por algo que deu errado.
    E se acabou... Pronto! O bom é por um ponto final mesmo.

    ResponderExcluir
  6. hahahaha... Que bom que se divertiu, obrigada por ler!

    Eu já decorei todas aquelas e estou elaborando mais! Depois eu posto...


    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Translúcida27/03/2008 00:28

    Se pra vocês dois tá bom, o que interessa o resto do mundo? Linda, o quadrado da hipotenusa é a soma dos quadrados dos catetos, e ponto final.

    ResponderExcluir
  8. Vivo mudando minha opinião sobre fidelidade-infidelidade, mas nunca radicalmente. Penso que as pessoas deveriam pensar no ponto de que a possibilidade mais que natural de uma pessoa da qual você está se relacionando se sentir atraída por outra ocorre, sabe? E eu acho que as pessoas deveriam entender que ninguém é dono do outro. Eu tenho isso na cabeça, apesar de ser meio dificil essa questão comigo-eu-Raquel.

    Eu sempre lidei muito bem com esse negócio de traição, porque eu também tenho esses conceitos de que traição não é você trepar/beijar alguém simplesmente. Olho por esse lado dos sentimentos também e pelo lado da pessoa (eventualmente) esconder isso de você. Eu, pessoalmente, nunca fiquei sabendo de uma traição assim, de ter sido traída no sentido tradicional da coisa. Mas eu não sou adepta ao ter que sentir pra saber como é. Mas eu acho que tem que ser aberto num relacionamento com relação a isso, sabe? Nada de "eu acho isso e você acha isso, então, vamos seguir no que cada um acha e pronto", porque, bah, eu não sou a favor de uma coisa desigual tipo, o fielzinho besta e o trepador-de-meio-mundo. Dur. É complexo. Tenho que pensar. Hm.

    ResponderExcluir
  9. Sempre com palavras válidas. Adoro tudo que você escreve!


    Obrigada,

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Bem, infelizmente vou discordar de você... para mim, transar com outra pessoa, ainda que não haja envolvimento emocional, é sim traição. Se é ou não motivo para se acabar um relacionamento, vai depender das partes! O legal é que os parceiros estejam de comum-acordo quanto aos seus próprios conceitos do que é ou não traição; no seu caso, você e seu namorado pensam assim, então, não há problema!
    Valeu!

    ResponderExcluir
  11. Oi!!! Voltei.....tem postagem nova no meu blog....depois dá uma passadinha.
    E por aqui tem vários textos novos....depois vou comentar um por um, mas começo por este!
    Afinal, uns 4 meses atrás, terminei com um cara que estava muuuuito apaixona, o sexo era muito bom, porque desconfiei que estava me traindo. O relacionamento ainda estava no inicio, mas ao invés de tolerar, fui radical. Não quis mais!
    Ás vezes acho que me boicoto. Podia ter deixado pra lá, afinal, um homem pode fazer sexo por prazer momentâneo, mas ter vc no coração.
    Hoje em dia, ele pede pra gente ficar de novo. Sinto-me tentada, mas sei lá, fico pensando que vou quebrar minha cara, que se ele gostasse de mim não teria procurado outra, que se fez isso no começo, imagine depois....
    Juro que não entendo, às vezes tenho vontade de mandar os homens calarem a boca.
    Eu sou um posso de ciúmes. Se pudesse guardaria as pessoas dentro de caixinhas. Mas sou muito fiel. To com um cara e só com ele e espero essa mesma atitude em troca.

    bjo

    ResponderExcluir
  12. Ahh atualiza aí, fico ansiosa pelos seus textos!!!




    Beeijos.

    ResponderExcluir
  13. Cada um tem a sua opinião, ainda mais em algo tão subjetivo, e deve ser portanto respeitada ...
    Eu acho que traição não é só emocional, você sair beijar outra pessoa e até mesmo transar com ela, pra mim, isso é traição ... mas como já disse o amigo lá em cima, se vc se sente bem assim e pensa como o seu namorado, é o que importa! =)
    bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Meu conceito sobre traição é exatamente igual ao seu. Traição está acima de tudo na mentira, em fazer o outro de trouxa, inventando mentiras ou disfarçando sentimentos. Acho muito estagnante uma relação em que se tem um conceito de fidelidade absoluta. Fidelidade absoluta pressupõe inclusive fidelidade em pensamentos. O homem é estimulado sexualmente pela competição em primeiro lugar. Por isso o sexo piora muito após um casamento, quando ele passa a acreditar (por influência cultural) que agora a mulher é só dele.
    Imagine um homem que pense que a fidelidade da mulher dele depende dela ter tido contato físico com outro. Na cabeça dele, ter contato físico é traiçã, desejar isso, não. Acontece que entre desejar e por em prática, uma simples palavra une perfeitamente essas duas coisas: oportunidade.
    Numa oportunidade perfeita, a mulher poderia trair (numa viagem) com alguém que nunca mais veria, isso não influenciaria em nada o relacionamento. Se ela não contar, qual será a diferença entre ela ter traído ou não (fisicamente) Nenhuma!

    bjs

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Dama, até o final é parecido, q coinciência... Vc falou do tomate e eu falei das pedras rs Pois é... As pessoas defendem com unhas e dentes, mesmo que a argumentação seja fraca... Beijos!!!

    ResponderExcluir
  16. Adorei mais um...

    O tema é polêmico, e definir traição/emocional não é tão simples, embora nem todo sexo seja traição - opinião muito pessoal, já o esconder do par viola o conceito de lealdade, que pra mim está antes de Fidelidade.

    Pena que para comentar "in totum" teria que roubar mais fragmentos de tempo que não posso, mesmo assim fiz uma leitura diagonal dos comentário, e li seu post na íntegra.

    Comungo contigo quanto a opinião, riscos existem, claro, mas nem por isso tudo desagua, as vezes tudo não passa de mera diversão, prazer e tesão.

    Mas sinto que navego na contra-mão de uma imensa maioria, e nem seria de outra forma, afinal homens e mulheres são ensinados de forma diferentes, não apenas entre os sexos, mas em suas diferentes formas de serem ensinados.

    Pessoas que separam Amor/sentimento, de Sexo/prazer, e separem Fidelidade, Lealdade, de mera diversão carnal, não são muitas. Mesmo assim existem às dezenas. Cruzarem seus caminhos já é outra história.

    Comungo com muitos leitores, gostei da opinião de quem se assina Bala, como gostei de outras, e respeito a todas.

    Abraço,

    ResponderExcluir

Eu sempre vou respeitar sua opinião, mesmo que não concorde com ela. Então, por favor, respeite a minha!

Comente com civilidade!

Se seu comentário foi recusado, certamente a explicação está aqui:

http://confissoes-femininas.blogspot.com/2011/07/comente-com-educacao.html