domingo, 12 de dezembro de 2010

Banalização do sofrimento...


Eu leio muitos blogs, e quando tenho um tempo a mais, leio os comentários feitos em um post que gostei muito, para ver como o pessoal recebeu. E claro, todos já sabem que eu sou uma chata-pensante-compulsiva. Não pude deixar de analisar o quanto as pessoas banalizam problemas sérios ligados ao emocional. E esses problemas passam a ser vistos de uma forma negativa, exatamente por causa de um pessoal sem noção.

Vamos lá, vou explicar melhor. Todos nós sabemos que existe depressão(doença), TPM, distúrbio bipolar, TOC(transtorno obsessivo-compulsivo) e tantos outros males ligados a mente humana. E como são situações, ou doenças, ou perturbações que não podem ser medidas em exames, não podem ser quantificadas ou detectadas exatamente, porque todas variam em grau de severidade; uma parte da sociedade, sã, mas que gosta de platéia para suas aflições cotidianas, tenta de qualquer maneira se encaixar numa dessas situações, com a finalidade de ganhar atenção, e/ou um sentimento deplorável, chamado: pena.

Quem passou por uma depressão(doença), sabe o quanto é incapacitante estar nesse estado. É algo que tem a ver com a química do cérebro, não é algo que se possa acordar e dizer "Ahhh hoje vou reagir e sair dessa". Mas umas criaturas sem noção, porque perderam o(a) namorado(a), brigaram com o chefe, tiveram uma decepção ou tristeza na vida, coisa que todos nós temos a todos os momentos, logo dizem que estão em depressão, que vão ao médico tomar antidepressivos. Se toca! Tristeza não é depressão!! Tristeza todos temos, ficamos um tempo abatidos e depois aquilo passa naturalmente!!

Distúrbio bipolar é algo sério. Um transtorno do humor que dependendo do grau, incapacita a pessoa para uma vida social normal. Mas outras criaturas sem noção, acham que porque um dia acordam de mau humor, e no outro dia de bom humor, são bipolares. Todo mundo tem oscilação de humor! Quem tem animal em casa, percebe que até eles oscilam de humor! Mas isso não caracteriza transtorno bipolar de forma alguma!

E TOC? Imagino o sofrimento que isso deve trazer para quem tem. Mas vem novamente outras criaturas completamente sem noção e acham que porque endireitam o quadro da sala, que está torto, tem TOC. Ahhh puta que pariu! Que raiva que tenho disso!


TPM é real! Eu sei o que é isso e conheço mulheres que sofrem muito! Mas tem umas que faça-me o favor! Dizem o que querem, quando querem, ofendem, machucam as pessoas, sob o álibi da TPM, que nessas mulheres, dura 30 dias no mês!

Fiz um post sobre bullyng onde contei minha história, li uma série de post sobre o mesmo assunto e li os comentários nesses posts. Fico passada ao perceber que algumas pessoas não tem respeito pelo sofrimento dos outros! E acham que porque receberam um apelido no colégio, coisa que 95% das pessoas recebem, sofreram bullyng. Olha! Não estou aqui para quantificar o sofrimento de ninguém. Estou me baseando somente no que leio, no que ouço. Porque não só leio, ouço muitas barbaridades desse tipo, das pessoas com quem convivo. Mas bullyng é algo bem mais torturante do que ser chamado de feio!

É por isso que as questões ligadas à psique, ficam tão mal vistas! As doenças, distúrbios, transtornos que tem a ver com um sofrimento emocional, qualquer imbecil sem problemas sérios na vida, dá um jeito de se encaixar ali e dar um nome importante para seus conflitos! E por isso essas questões sérias continuam sendo vista com tanto preconceito! Por conta dessa banalização!

Repito! Não estou aqui medindo quem sofre mais, quem sofre menos! Quem tem ou não tem tal doença, distúrbio, ou situação conflitante! Só acho que para muita gente, faltam problemas sérios! Problemas reais para buscar saídas. E essas pessoas ficam encontrando uma forma de super valorizar pequenas questões, ou criando um álibi para seu teatro de sofrimento.

Voltei com a macaca trepada nas minhas costas!

67 comentários:

  1. Ohhhhhhh, sim..é irritante. Uma pessoa, como eu, que sofre de ansiedade crônica, do tipo ter ansia de vomito,diarréia, suar por todos orifícios, entrar em agonia, passar a noite acordada repassando a vida, parar de comer, tremer como bambu no vento perante qualquer situaçao que a retire de situaçoes cotidianas, inclusive antes de situaçoes cotidianas, o que no meu caso é diário...sabe muito bem o que é ter alguém dizendo que esta ansiosa...ansiosa pelo casamento, ansiosa pelo telefonema de um besta qualquer, antes de viajar para Cancun, etc.
    Me irrita muito.
    Eu digo também que muitos para sofrer, adoram consignar os problemas alheios, pegam emprestado o sofrimento dos outros para sofrer junto, o que é bem oportuno.
    bjs

    PS: eu acho que vc é muitooooooooo honesta...ou seja, se encaixa na tríade...bjs

    ResponderExcluir
  2. Já fiz um post sobre isso... quer dizer mais concretamente quanto às pseudo depressões há uns meses se quiser dar uma olhada é aqui http://toughtbubble.blogspot.com/2010/10/depression-my-ass.html
    Anyway, acho engraçado. eu digo na brincadeira que sou bipolar, mas sei perfeitamente que não sou né xD.
    Há gente muito idiota que arranja sempre desculpa pra se vitimizar seja no que for ou para mostrar a vida difícil que tem. eu se tivesse uma depressão cada vez que andasse triste já estava internado num hospital psiquiátrico por mental breakdown. quanto ao TOC... eu não conheço por essa sigla, conheço pelo inglês OCD (obsessive Compulsive Disease) é isso né? quanto a esses manés do exemplo... nada a dizer mesmo. há pessoas que precisam de levar um safanão para acordar das ideias bestas que tê. pseudo depressões são com o que levo mais, e me irrita até a medula óssea.

    ResponderExcluir
  3. É amiga,já vi que a macaca tá forte!!!
    Sei bem o que é ter uma bi polar em casa!Minha filha é assim,e hj é um problema lá na minha irmã.
    mas ela escolheu,né?Paciência...
    TPM é outra coisa phoda!Temos que aprender a viver com ela...(dá pra fazer isso?) e depressão já passei algumas vezes por isso e só remédio não cura não...tem que fazer análise e saber lidar pq é um mal que vai e volta se vc não cuidar!
    Mto bom o teu post!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com vc em partes, tem alguns problemas que pessoas mas antigas não sabia como resolver e hoje com a melhor informação a assim como resolver, mas a outros que são pura frescuras (no popular) stress pra mim é pura frescura, como diz minha avó isso é dado a rico que tem umas qualiragem (linguagem tipica de Maranhese- pra dizer que um ser é fresco ou de um modo vulgar viado)

    ResponderExcluir
  5. Olá minha cara Dama!Concordo com vocÊ tem muita gente por ai querendo platéia,mas com certeza não podemos quantificar o sofrimento do outro, cada um tem os seus problemas e suas dires e talvez seus disturbios. Tem uma frase que eu adoro que diz "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é" eu acho que é bem isso,mas claro não podemos fazer da dor um espetáculo a parte para chamar a atenção dos outros e para uqe todos sintam pena.
    Mas cada louco com sua mania...
    Um ótimo domingo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Depressão, pra mim, é algo que ninguém deveria brincar de sentir, só sabe o que é sentir-se oprimida por dentro, arrasada sem solução pra nada quem já teve isso...é um mal que não depende apenas de nós para sairmos dele, mas de quem está ao nosso redor...
    Quem usa de qualquer um desse problemas pra se beneficiar, ou por falta de conhecimento, ou simplesmente pra tomar um tarja preta é alguém que, Deus me perdoe, deveria passar pra parar de brincar de sofrer...

    É isso aí Dama!

    Bjinhos linda

    Mila

    ResponderExcluir
  7. Acho que as pessoas estão tão carentes que supervalorizam "problemas" para receberem atenção. Isso sim é triste!
    Bjs e ótima semana!

    ResponderExcluir
  8. Oi Dama

    Gostei do teu post.
    Vou te contar um pouco da minha história.
    Desde que me acidentei e tive que parar de trabalhar, comecei a ter medo de tudo, não ficava sozinha e nem passava perto do meu trabalho de tanto medo.
    Para ir ao supermerdado ou qualquer lugar que tivesse muita gente, passava mal e tinha a impressão que todos queriam me atacar. Acabava desmaiando.
    Fui diagnostica com "sídrome do pânico" e depressão pois não queria mais sair de casa, muito menos do meu quarto.
    Não aceitei o diagnóstico, mas quem é que vive com normalidade tendo dores 24 horas por dia?
    Passados quase 9 anos, ainda não consigo sair de casa, mas procuro ser alegre com todos e viajar com a família.
    Mas a dor continua comigo e quando aperta demais, lá vou eu fazer o meu passeio ao hospital.
    E assim vou levando e o médico insistindo que sou depressiva. Fazer o quê?
    Ainda não aceitei porque a rejeição aos depressivos é muito grande e eu sou feliz mesmo assim.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  9. Eu acredito que muita gente usa o nome depressão quando não tem a doenca ou mesmo dizendo que outros a tem sem saber do que estão falando, porque realmente não entendem o que é uma depressão, como você bem disse, é doenca e não apenas um estado passageiro de tristeza, mas as pessoas não tem esse conhecimento, infelizmente.
    Acho que muita gente sofre mesmo de carência e dessa carência vem inclusive a hipocondria, real ou que a pessoa simula. É a base do estou doente, me dê atencão.
    As pessoas banalizam mesmo o sofrimento alheio, isso é muito uma falta de empatia junto com uma vontade de estar sempre no centro da coisa. As vezes fico observando em conversas que muitos não estão prestando atencão ao que o outro fala, estão somente esperando a chance de contar um pouco sobre si próprio e se não tem essa chance, o outro não dá uma pausa, a pessoa comeca a falar ao mesmo tempo que os demais. E isso num grupo talvez 80% dos integrantes facam isso, só querem falar sobre isso, então como perceber o sofrimento alheio? Banalizam mesmo, infelizmente.

    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Adorei o post e concordo plenamente com vc. Tenho uma tia que tem depressão e realmente é um problema que vai muito além de uma tristeza temporária. Muitas pessoas se apoíam nessas doenças para fazer o querem com as outras pessoas... Parabéns pelo post...
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Dama querida!

    Gostei de ver a macaca, rsrsrs, prefiro assim!!!

    Ótimo post e excelente sua abordagem. Muitos problemas psicológicos são seríssimos, mas fico boba com a quantidade de pessoas, principalmente mulheres, tomando antidepressivos e calmantes, e não sei o que mais. Até escrevi sobre isso uns tempos atrás, lá no blog. Cara, uma mulherada trocando receitas de fluoxetina (será que é assim que escreve?), e remédio pra emagrecer (que mexe com a cabeça também) e isso e aquilo e aquilo outro. Nessa horas eu penso se não seria melhor pegar no "cabo do guatambú" e carpir uns dois, três terrenos... Veja bem, eu falo de pessoas que se medicam por ter uma tristeza, como você mesma citou. Não estou falando daqueles que têm problemas sérios, que eu aliás respeito e compreendo. Mas muita gente usa isso, adora fazer drama. Parece que é moda...

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  12. Oi tem selinho la no blog pra você , passa lá bjs

    ResponderExcluir
  13. Ola concordo existem pessoas que não tem nem noção do que sentem e quanto a macaca se todas fossem assim... seria otimo te-las rrss bjse pqgue seu selinho

    ResponderExcluir
  14. oi minha linda eu concordo com a cris acima, acho que as pessoas estão tão carentes que valorizam problemas para terem atenção e é muito triste bjs...

    ResponderExcluir
  15. Pois eu nem imagino o que é a pessoa se fazer de coitada. Penso que quem sofre sofre por alguma coisa.

    No meu caso, não escondo de ninguém que tenho transtornos de humor. Que já estive duas vezes internada, que tomo medicamentos bem fortes. Que vivo tentando o equilíbrio de meu ser.

    Eu acredito que ninguém em minha situação gostaria de ser digno de pena. O que gostaríamos é que a sociedade não discrimine e ridicularize cada vez mais as doenças mentais. Não tenho nenhum medo de me expor, até mesmo porque tanto em meu trabalho quanto na minha faculdade, todos sabem do que tenho, pois falo naturalmente sobre isso.

    Não tenho um blog para me queixar disso e nem abordo isso como questão principal em meu blog, mas acredito que quem não entende de transtornos mentais( e conheço muita gente, inclusive da minha família que não entende) é porque nunca passou por isso. Nunca sentiu a pior das dores: a dor de existir.

    Um ótimo tema para debate!

    Beijos e bom domingo.

    ResponderExcluir
  16. é verdade. A vida é difícil sim, mais se houver supra-valorização das dificuldades suspeito que fique "viciantemente" insuportável. Pior, é quando todos do meio, ficam junto, e "desconectados" cada um, enclausurado em sua própria "doença autoglorificada".

    Já reparou quantas pessoas são viciadas em ter problemas "insolúveis"?

    triste. Ainda não sei o que causa isso, de onde vem a "mensagem" para se comportarem assim... acredito que seja fruto de algum "comando" da cultura sintética, pois é muito generalizado. Acredito, né... mas realmente não sei.

    Poderia fazer as duas coisas, mas não gosto de criticar pessoas assim, apenas tendo convencê-las a ficarem mais independentes, autônomas, valentes, corajosas, VIVAS, ATIVAS... porque acredito que se for assim, eliminarão esse negócio de se sujeitar a dificuldades que muitas vezes nem lhas pertencem, subvalorizando até a dor daquele que realmente a sente.

    sei lá... é o que eu penso.

    ResponderExcluir
  17. Cada um em seu canto sofre seu tanto. Tenho uma tia que se afunda cada vez mais e fica se apegando a deus. Mas nada mudo e eu temo pelo bem estar dela.
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Sensatos os comentários das Flor de Lotus, Cris, Iza e Luciana Haland.

    Depressão é dose! Pode matar. Tive , durante minha vida, de 2 a três, sendo a última em 1987.
    No entanto, sou um deprimido crônico. E no meu humble blog beldadedaminhavida.blogspot. com, num post sobre esquizóide, falo sobre meus transtornos(rs).

    Vc falou uma grande verdade sobre a TPM. Minha ex-mulher tinha o gênio terrível, mas felizmente não tinha TPM. Eu ainda a zoava quando ela coincidentemente ficava nervosa, na época da menstruação, dizendo q compreendo seu comportamento, devido a TPM. rs

    Beijos, Dama.

    ResponderExcluir
  19. O que me aborrece é quando estou de TPM e alguém diz que isso é frescura (principalmente os homens). Essa parte de estar triste e já sair dizendo por aí que é depressão, também acho um absurdo. Na verdade, é que alguns desses termos ligados a doenças da mente se tornaram "populares" e banalizados, pessoas saem por aí utilizando termos para nomear coisas que não são.

    ResponderExcluir
  20. Dama
    Realmente é difícil mensurar a dor e o sofrimento. Mas hoje em dia existe uma queda para se aliviar tudo, para tudo existe uma pílula da felicidade. Sabemos que não é bem assim. Muitas pessoas que estão passando por problemas vão ao médico e ele já receita um antidepressivo e por aí vai. Já tive síndrome do pânico e depressão e é horrível, só quem passou sabe. Para se ter certeza de um diagnóstico grave desses é preciso ter uma avaliação mais de perto de um psiquiatra. Concordo com vc que os termos depressão e companhia estão banalizados e isto é muito ruim para quem realmente sofre com isto. Bom domingo! Bjsssssssssss

    ResponderExcluir
  21. Concordo com você. Realmente existem pessoas que sentem um enorme prazer, quando são qualificadas de "coitadinhas". Sofri durante muitos anos com Sindrome do Pânico e vivi todos os preconceitos que qualquer pessoa que necessita de um tratamento psiquiátrico conhece. Mas isto se deve somente à ignorância... esta sim, é a doença que estas pessoas tem e que infelizmente não buscam remédio.
    Muito sábia suas palavras quando diz que "tristeza não é sinonimo de depressão".
    Beijinhos
    Li

    ResponderExcluir
  22. Oi Dama, acho que essa macaca anda visitando todos nós rsss
    Ontem respondi num comentário que tb estava com a macaca e além dela soltei uns cachorros...
    Sei lá...mas muitos amigos estão do mesmo jeito, sem paciência, irritados e daqui a pouco vão dar um nome pra isso também kkkkk
    Mas é que a gente vê tanta coisa que não tem outro jeito, acabamos nos revoltando mesmo
    Eu já comentei lá na Carla que tive depressão e tomei medicamentos por 17 anos, era um embotada cerebralmente falando, graças á Deus hj estou livre
    Mas naquela época muitos me diziam que depressão era doença de rico, frescura de quem naõ tinha o que fazer enfim...
    Além da doença ainda a gente tem que enfrentar o preconceito e a burrice dos outros
    Como vc disse tem uns que ficam inventando moda,mas tem outros que realmente tem problemas e tem que ser respeitados né?
    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  23. Dama,
    tira a macaca das costas ! risos.

    Pois é...muita gente confunde tristeza com depressão.

    Virou moda ser bipolar. Uma bela desculpa para falta de educação.
    Aliás, falta de educação virou sinônimo de estresse e coisas do gênero.

    E tem também o psicopata. Depois do livro " Mentes Perigosas", todo mundo conhece ou foi vítima de um.

    Uma questão de nomenclatura...e assim caminha a humanidade. Quem há de ???


    Beijocas e boa semana !

    ResponderExcluir
  24. É verdade, nem precisa estar lendo blogs para perceber isso. No meu cotidiano eu percebo isso em muita gente. Necessidade de ter a atenção de todos, que as pessoas sintam pena. É horrível.

    ResponderExcluir
  25. HAHAHA! É verdade! E eu nunca tinha pensado nisso.
    O povo acha que essas doenças são coisas 'legais'. Provavelmente nunca conviveram com alguém depressivo, ou com TOC... sei la!

    ResponderExcluir
  26. Ola Dama, querida!
    Muito bem abordada a situação!
    Infelizmente tem pessoas que usam certas doenças sérias, para terem atenção.
    E realmente essa seriedade, entre tristeza e depressão precisam ser entendidas!
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  27. Olha, eu achava q depressão era frescura... até eu mesma cair em depressão de verdade e quase morrer por causa disso (verídico). Daí q hj me emputeço com pessoas q inventam problemas, querem chamar atenção ou transformam qq tristezinha no fim do mundo... Por experiência própria: depressão é coisa séria, e não desejo isso a ninguém (tenho vontade de bater em pessoas q se dizem "deprimidas" querendo simpatia alheia... se soubessem o q é depressão de verdade, jamais desejariam isso ou fingiriam isso).

    Hum... só isso q tenho a declarar. =)

    ResponderExcluir
  28. As vezes vc diz umas coisas que eu gostaria de dizer sabia??? Sobre o que é "ser bipolar", sobre "depressão", "sobre bullyng" e TPM, se bem que minha TPM se manifesta em melancolia não em irritabilidade pq irritavel e irritante eu sou o mês todo rsrsrs, não tenho problema em assumir isso!!!

    E sim, para muita gente falta problema serio ou como diria sabiamente minha mãe, falta um boa e velha bacia de roupa suja para lavar, se bem que mainha diz isso até a mim qnd passo tempo demais no pc ou fico melancolica demais na TPM!!!

    ResponderExcluir
  29. Oi Dama!

    Concordo com você. Sei o que sofri com a depressão profunda. Profunda porque eu não comia, não dormia, não tinha ânimo para nada. Vegetava ao ponto de não encontrar mais saída.
    Todos achavam que eu estava sendo fraca e muitos estavam que eu estava querendo atenção blo bla bla. Quando eu tentei o suícidio pela 1° vez ai viram que o negócio era sério. Mas mesmo assim, até entre familiares o diagnóstico para eles era de "frescurite".
    A visão das pessoas só mudaram após a 2ª tentativa de suicídio e minha internação.
    Não foi fácil ficar em um hospital psiquiátrico, e lá eu resolvi reagir. Eu tinha consciência que estava doente, mas não queria terminar minha vida ali, como uma louca.
    Hoje a situação se inverteu. Como vc disse, todos temos dias tristes, que você levanta mais quieta. Ai é um Deus nos acuda pois já começo a ouvir: Você está depressiva, você está doente, precisa ir ao psiquiátrica.
    Coisa de doido: Quando eu estava ruim todos achavam que era "Frescurite", hoje que estou bem e tem dias que acordo triste "estou depressiva" rsrs
    Só posso concluir meu falatório com a seguinte expressão: Tá tudo banalizado!
    Beijos

    ResponderExcluir
  30. Concordo. Tenho uma amiga q diz q passou por uma especie de depressão. Quem disse isso a ela ? O médico ? Não, pq ela nao se consultou. As pessas se auto diagnosticam simplesmente pq acham bonito. As vezes penso em procurar um especialista pq uma pessoa q entende um pouco do assunto me disse q eu estou prestes a entrar em depressão por causa do q ela vê no fundo dos meus olhos. Penso muito nisso e sinto medo, não sei se não quero assumir q tenho problema ou se não tenho problema mesmo e isso é tudo frescura. Qto ao TOC tenho algumas manias q creio não chegam a tanto e bipolaridade no meu caso é uma oscilação de humor em questão de segundos que, segundo minha mãe, tem a ver com meu signo, gêmeos. TPM tenho, ora raivosa, ora melancólica, mas dura um dia por mês, o resto é meu mau humor rotineiro mesmo. Qto ao bullyng nunca sofri, sempre tive uma boa relação com os colegas de escola q inclusive são meus amigos até hoje. O q penso é q as pessoas querem ser melancolicas, vitimas e por isso ficam inventando coisas. Qual o problema em assumir q se é feliz e q a vida tá boa ? Obvio q todos temos altos e baixos, mas no geral, não vamos enfiar problema onde não existe !!! Valeu a abordagem, direta, sincera e bem colocada. Beijo.

    ResponderExcluir
  31. Oi Dama!
    Achei ótimo você "estar com a macaca"! Acho que quando estamos assim é que expressamos melhor nossa indignação!
    Não tenho tpm(graças a Deus!), já tive depressão fiz terapia, mas não resolveu muito. O que me ajudou foram uns bons amigos,, muito bate papo e uns copos de cerveja...
    Sinto que o que tenho é justamente o que você comenta: tristeza e carência. E sei que muita gente deve ter o mesmo, só que se confunde e acha que é depressão. Além do que, por causa do rótulo, elas devem achar mais chique dizer que estão "deprimidas" do que apenas tristes ou carentes. Parece que ninguém respeita quem tem carência ou apenas tristeza , são sentimentos menores, pequenos, mas também doem. Em menor grau, é claro, mas mexem com a cabeça da gente. E a gente vai se fechando...
    Beijos, Renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  32. Minha esposa é bipolar. Das crises mais contundentes, três foram marcantes. Porque precisou de internação em clínica psquiátrica, porque necessitou de medicamentos pesados que a deixaram inoperante e também pelos sintomas semelhantes à esquizofrenia. Foram surtos psicóticos, que depois de 40 dias de medicamento em alta dose, a fez mergulhar em depressão. Até encontrar o equilíbrio, demora uns 2 meses, se chegar ao ponto que chegou. Não é normal alguém fazer propaganda que é doente, o normal e se fechar. Há muito preconceito, a pessoa é vitimizada (desconfortávelquando o doente sai da crise)e o doente não pode dar uma aloprada como qualquer outra pessoa, porque já acham que é crise. Ou seja, o bipolar fora da crise não tem direito a ser normal. Na última crise, esposa foi internada no Natal, passou a ceia sob calmantes, sendo que logo na entrada foi necessário ser amarrada a cama. Nenhuma pessoa que tenha passado por isso faz propaganda. No trabalho só vi pessoas muito espertas querendo aposentadoria, alegando problema psiquiátrico, fora isso, uma pessoa que se coloca como doente mental, não é muito normal. Minha esposa quase se levantou em um jantar, no momento que uma autoridade fez comentário depreciativo usando a frase "maníaco depressivo", que hoje é chamado de bipolar. Presisei segura ela na cadeira e consegui convencê-la de que as pessoas são assim, que ela mesma se não tivesse a doença faria piada. Em casa fazemos piada, que só tem pirado em nossa casa, cão, empregada, etc. Mas isso é um processo que já dura cerca de 14 anos de auto-conhecimento. Já houve época que ela levantava a língua para eu verificar se ela havia tomado o medicamento. Já se passaram mais de 5 anos sem internação, e eu sempre fui o carrasco da decisão...e é dolorido demais passar por isso. Atualmente ela feliz com tratamento, porque conseguiu encontrar a medicação que a permite "viver" sem passar dia sonolenta, que não tira dela o desejo de sexo e o prazer ao realizá-lo, que não a engorda os 10 Kg que ganhou no início do tratamento. Quando ela reclama do medicamento que toma diariamente, que as vezes a faz dormir cedo, e usa um possível abandôno do tratamento como retaliação por alguma insatisfação, digo a ela para ficar tranquila, pois não será internada...eu simplesmente saio de cena. Sei que ela é forte e frágil, sei que é vítima, mas também manipuladora. Aliás, todos somos um pouco, e usamos a manipulação com as armas que aprendemos, o problema que o doente mental, a usa de forma mais doentia. Tenho sempre que ser alerta e firme. As vezes me vejo fazendo piadas sobre psiquiátra, e infelizmente, tento me policiar, mas é uma forma social de manifestar nosso preconceito e incompreensão. E eu sou um "doutor" no assunto. É que o ser humano sempre fala do outros, então melhor fazer piada do que falar mal. Pra terminar, esposa as vezes reclama de alguém e diz "fulana é amiga da onça" ... eu digo a ela..."e você é a onça". Só fazendo piada, como uma blogueira chamada Ana, que é bipolar...que está engatiando na doença...mas transformando suas crises em uma comédia...melhor que revistinha em quadrinhos.

    ResponderExcluir
  33. Na última crise, esposa foi internada no Natal, passou a ceia sob calmantes, sendo que logo na entrada foi necessário ser amarrada a cama. Nenhuma pessoa que tenha passado por isso faz propaganda. No trabalho só vi pessoas muito espertas querendo aposentadoria, alegando problema psiquiátrico, fora isso, uma pessoa que se coloca como doente mental, não é muito normal. Minha esposa quase se levantou em um jantar, no momento que uma autoridade fez comentário depreciativo usando a frase "maníaco depressivo", que hoje é chamado de bipolar. Precisei segurá-la na cadeira e consegui convencê-la de que as pessoas são assim, que ela mesma se não tivesse a doença faria piada.

    ResponderExcluir
  34. Em casa fazemos piada, que só tem pirado em nossa casa, cão, empregada, etc. Mas isso é um processo que já dura cerca de 14 anos de auto-conhecimento. Já houve época que ela levantava a língua para eu verificar se ela havia tomado o medicamento. Já se passaram mais de 5 anos sem internação, e eu sempre fui o carrasco da decisão...e é dolorido demais passar por isso. Atualmente ela feliz com tratamento, porque conseguiu encontrar a medicação que a permite "viver" sem passar dia sonolenta, que não tira dela o desejo de sexo e o prazer ao realizá-lo, que não a engorda os 10 Kg que ganhou no início do tratamento.

    ResponderExcluir
  35. Quando ela reclama do medicamento que toma diariamente, que as vezes a faz dormir cedo, e usa um possível abandôno do tratamento como retaliação por alguma insatisfação, digo a ela para ficar tranquila, pois não será internada...eu simplesmente saio de cena. Sei que ela é forte e frágil, sei que é vítima, mas também manipuladora. Aliás, todos somos um pouco, e usamos a manipulação com as armas que aprendemos, o problema que o doente mental, a usa de forma mais doentia. Fazer autopropaganda de ser doente sem o ser...por si só isto já é doentio

    ResponderExcluir
  36. As vezes me vejo fazendo piadas sobre psiquiátra, e infelizmente, tento me policiar, mas é uma forma social de manifestar nosso preconceito e incompreensão. E eu sou um "doutor" no assunto. É que o ser humano sempre fala do outros, então melhor fazer piada do que falar mal. Pra terminar, esposa as vezes reclama de alguém e diz "fulana é amiga da onça" ... eu digo a ela..."e você é a onça". Só fazendo piada, como uma blogueira chamada Ana, que é bipolar...que está engatiando na doença...mas transformando suas crises em uma comédia...melhor que revistinha em quadrinhos.

    ResponderExcluir
  37. Eita post bom e porreta! adorei!
    muita gente me pergunta se eu não tenho problemas, pq nunca falo deles no blog. conto de viagens, passeios, coisas que vejo.
    mas vc falou o que eu penso. Claro que tenho problemas. mas são simples, não são coisas pra levantar choro e muito menos vela!
    tô apertado de grana p dedéu, problemas de saúde em família. mas comigo tô na paz fora essas questões. vou me queixar disso pra que? quem não tá, de leve ou de muito, ferrado por falta de grana, tempo,etc; hj em dia?

    Mas porque muitos fazem o chororõ por coisas pequenas? simples.
    A mente não tem profundidade e nem se ocupa com coisas maiores.
    São pessoas que muitas vezes estão imersas em questões banais, não conseguem olhar um pouco mais a frente, não tem profundidade no campo de idéias. Tudo é rápido, superficial, sem conhecimento e nem reflexão, o mundo é pequeno e se resume a uma vila com duas casinhas.

    e dá nisso, um lamentar por pitangas...
    bom dia!

    ResponderExcluir
  38. e mais uma coisa que lembrei...que irrita tb. gente que se apóia na doença para satisfazer mimos. tipo Tulla Luana, que faz show com remédio e faz escândalo por causa do bis limão rs.
    bjs e boa semana

    ResponderExcluir
  39. Será que isso ocorre por querer fazer parte de algo?
    Não sei, mas tiro o exemplo por minha própria experiência, de vida e pessoal. Muitas vezes queremos simplesmente nos enquadrar em algo (particularmente não sou a favor de me enquadrar a porra nenhuma). Mas há aqueles que talvez nem façam isso por maldade ou coisa assim, mas por qurer uma resposta, ou ser parte.
    Tenho meus momentos depres, minhas frustrações, assim como vários seres humanos. Agora a forma como sinto ou reago é o diferencial.
    Certa vez em uma aula de psicologia social questionei a professora com a seguinte situação: Por que uma pessoa é capaz de superar um abuso sexual, mas não consegue se livrar de uma perda amorosa. Bem, sua resposta foi mais ou menos assim: Cada fato está envolvido a um momento. Portanto, não é apenas um fato, mas como você está ou é naquele momento.
    Não acredito que isso seja a verdade absoluta, mas é uma das verdades.
    E eu, não sou das mais pacientes com pessoas que banalizam a dor, mas concordo com a citação utilizada por um dos comentários: Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.
    Bjus para ti, Dama.

    ResponderExcluir
  40. Ah, a banalização hoje em dia está relacionada a tudo: ao amor, a amizade, ou seja, a qualquer coisa que envolva relações sociais.
    Enfim, ser humano é uma merda. Nos dois sentidos.
    Hasta!

    ResponderExcluir
  41. Nossa !
    perfeito seu post...concordo exatamente com vc!!!!

    Desculpa a demora p retribuir a visita....andei meio ausente, mas gostei muito daqui !

    jae stou seguindo viu..obrigado pela sua visita, bjus do Rê !

    ResponderExcluir
  42. Amiga está de parabéns...concordo com vc.tem pessoas que se aproveitam dos problemas...ou muitas vezes criam para se fantasiar diante dos outros...querendo mesmo se aparecer...para que todos tenham pena...e na verdade nada tem...eu sinceramente não suporto pessoas que criam seus fantasmas...sem tê-los...amei!!!seus posts...na verdade seus posts são uma lição de vida...sou sua fã...beijos queridaaa!!!

    ResponderExcluir
  43. A-do-rei... Re-fle-tin-do...

    Beijos

    ResponderExcluir
  44. Quando alguém escreve ou fala algo, nem sempre o que se quer realmente expressar é o literalmente escutado ou lido. Relacionamentos são permeados de mensagens não objetivas. As pessoas não falam de seus problemas para que outro os elimine, mas apenas para se sentirem próximas, ter alguém que as "escute". Com o advento da internet, muitas pessoas que por medo, constrangimento, de falar pessoalmente sobre seus problemas acabam usando o canal virtual. A Carla Farinazzi comentou sobre amigos que usam as fragilidades expostas contra quem as confidencia, as vezes na forma de conselho. Também é resultado de não saber escutar, apenas ser presente, ser próximo.

    ResponderExcluir
  45. A gente se conhece virtualmente há tanto tempo e ainda sim fico surpReso com algumas postagens suas, outras nem tanto. Como sou geminiano, concordo com muitos pontos e discordo em outros, claro.

    Mas neste eu tenho que admitir que a banalização do sofrimento está em todo lugar, inclusive nas tv's, onde as mesmas faturam horrores com ibope alto mostrando o que há de pior no ser humano (?), seja em violência, seja em miséria.

    Cada um tem o problema que merece. Será? Eu tenho os meus e não acho que sou merecedor deles. Mas não exponho em mínimos detalhes em minhas postagens, pois não sou nenhuma Suzana Vieira que usa da mídia pra se fazer de coitadinha.

    O que falta mesmo é respeito de uma forma geral.
    .
    .
    .

    ResponderExcluir
  46. Por isso prefiro escrever bobagens ou não escrever nada que me expor, falar de coisas pessoais que sejam banais.

    ResponderExcluir
  47. Oi Dama,
    Refletindo sobre o seu post, lembro que passei por uma série de momentos baixos na vida. Acho que os piores foram algumas mortes de parentes mais próximos (contra isso, nada podemos fazer além de se resignar). Outros momentos foram quando decepcionei ou fui decepcionado. Faz parte da vida de todos, mas uma coisa é certa, sempre esteve em minhas mãos sair da tristeza.

    Fora isso, em alguns momentos eu acho que preciso procurar um psicólogo para me tratar... rsrs... mas nada que interfira na minha vida social quase normal.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  48. Oi, Dama!

    Concordo com tudo que vc disse. Tem muita gente que adora dizer que sofre/sofreu de n's coisas que desconhece o significado... E é por isso que muitas coisas sérias acabam por ser simplicicadas e diminuídas.

    O Bullying mesmo é um ótimo exemplo. Um dia um amigo meu comentou que tinha apelidos na infância. Aí uma colega disse que ele sofria Bullying, aí eles começaram a falar que é mó drama dizer que as vítimas de Bullying ficam traumatizadas, pois é algo "normal". Cara, eu fico P da vida quando alguém diz que sofreu Bullying pq apenas foi apelidado. Por isso que mta gente não dá importância pro Bullying, pq nem sabe o que significa este nome. Banaliza e simplica o sentimento de quem sofre/sofreu. É foda!

    Bjos

    ResponderExcluir
  49. Olá,

    Não sei lá por que motivo entrei no seu blog aqui no trabalho. Fui lendo e senti com se conversasse com alguém que soubesse o que se passa neste exato momento comigo.
    Sofrer de depressão, como você disse, é químico. Precisa de médico e medicamentos e nada tem haver com tristeza.
    Interessante sua forma lúcida de escrever, porque falar parece-me mais simples, mas seu texto foi perfeito.
    Parabéns.
    Volterei aqui outras vezes.

    ResponderExcluir
  50. Concordo com você.

    E o que me deixa pasma é perceber que muitos médicos estão tratando tristeza com anti-depressivo, mesmo quando sabemos que em muitos casos é preciso o remédio, mas é preciso uma terapia de apoio.

    Existe toda uma banalização e falta de informação e preconceito.

    ResponderExcluir
  51. Olá minha cara Dama!Eu acredito também que essa cosia de banalizar o sofrimento seja também uma questão de carÊncia sabe, de fazer algo para chamar a atenção a pessoa precisa de um pouco de carinho e atenção e como nunca foi ensinada a pedir esse tipo de coisa ela faz um show a parte para receber atenção.
    Beijosss

    ResponderExcluir
  52. Gosto muito dos seus posts quando nos sugere pensar sobre nossos atos e os atos de terceuros sobre nós.

    Por período longo, anos atrás, tive depressão. Por uma junçao de uma séri de coisas. Foi de tal forma que fui fazer terapia, pois nao conseguia lidar sozinha com a situação. Para os desavisados de plantão, o que eu tinha era frescura, falta de vontade de mudar e dar a volta por cima, dengo, manha ou coisa do gênero.

    TPM, a minha é um mosntro. Tenho enxaquecas de levar dias com a dor de cabeça, com vêmitos, tonturas, enjôos e td qto é tipo de male qu se possa imaginar. Mais uma vez... frescura!

    Nao tô aqui querendo a compreensão nem a pna de ninquém, apenas querendo expor que, s um cidadao nao tem conhecimento sobre os problmas ou as consequencias dos problemas dos outros,nao saia por aí abrindo a boca para falar besteira. Em vz d ajudar, só atrapalha.

    Muito bem colocada esta sua visao!
    Apoio, com fervor!!!

    Mts beijossssssss

    PS: andei sumidinha do meu blog, na verdade quase abandonei por uma série de problemas pessoais. Mas, agora estou tentando voltar... qdo der, puder e quiser, d^uma passadinha por lá. Seus comentários sao muito bem vindos e só vem a somar...

    Beijosssssss

    ResponderExcluir
  53. Oi Dama,voltei da viagem e foi maravilhosa!Não tenha medo, aventure-se que é muito bom.
    Juntando minha viagem,o fato de ser portadora de mal de Parkinson e o que li hoje nessa postagem posso dizer que voce está certíssima querida.Realmente as pessoas gostam de mostrar sofrimento e querer que tenhamos pena delas.Sei o que é sentir dor,o que é ser discriminada por ser portadora de uma enfermidade que limita seus movimentos e o que é enfrentar tudo isso e querer superar.
    Tenho verdadeiro horror de perceber que alguém pode estar sentindo dó de mim seja pelo motivo que for.
    Quando estou "congelada",um fenômeno que só quem tem Parkinson conhece, tenho vontade de ficar deitada e não sair para lugar algum.Mas isso seria dar a vitória a esse amante indesejado que se alojou em mim e não sai de jeito nenhum.Então vou a luta. O que importa é que voce foi direto ao ponto crucial quando falou de Bullyng que sofreu e o resultado de sua postagem sobre o assunto.
    Achei sua postagem super correta.
    Abraço amiga .
    Teca

    ResponderExcluir
  54. oi vim aqui visitar su blog e deixar minha marca um forte abraço

    ResponderExcluir
  55. Um dia alguém me disse: Quem tem internet não tem depressão... no momento não refleti, porém agora penso: será que pessoas com as manias que você descreveu possuem algo tão rico como o teu blog para ler ou okurt para passar o tempo?
    Bjs Sonia

    ResponderExcluir
  56. Oi,minha cara dama!Passnado aqui para desejar-te um ótimo domingo!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  57. Ufa! Hehehehe!

    Bem, vamos ao que interessa: Existe sim muita gente que gosta de chamar atenção pela pena, e acabam se tornando dignas deste sentimento justamente por deixarem muito claro que suas vidas são tão vazias que necessitam deste tipo de atenção para suprir suas carências...

    Mas também acho que você generalizou um pouco nas suas colocações. Apesar de eu também me preocupar com essa mania de se usar antidepressivos por qualquer motivo, sei bem que a depressão pode sim ser ocasionada por fatores psiquicos. A morte de um parente, um trauma, um acidente...

    A questão do TOC, por exemplo. Eu e minhas amigas vivemos nos classificando como portadoras de TOC de brincadeira, por causa destas nossas manias. Eu não posso vem gavetas abertas, fechos, coisas fora do lugar. Não vejo problema algum em brincar em cima disso. O sentido da coisa não é atrair atenção por pena, é apenas debochar de mim mesma.

    A questão da bipolaridade acho que realmente ouve uma mudança no conceito cultural da palavra, as pessoas usam bipolar para caracterizar uma pessoa que tem humor muito variável, mas é mais por ignorância e costume, mesmo.

    Sobre o Bullyng, você acha que pessoas que receberam um apelido no colégio não deveriam se colocar dentro do grupo... mas você não sabe por quantos anos aquele apelido foi colocado. Você não sabe se na hora do recreio todas as crianças não se reuniam para gritar este apelido em voz alta, humilhando o indivíduo. Você não sabe quantas vezes esta pessoa pode ter chorado em silêncio, torcendo por um resfriado que lhe impedisse de ir à aula no dia seguinte. Acho que mesmo sem ser sua intenção, você está sim minimizando os sentimentos alheios.

    E pra finalizar, nem tudo tem que ser levado tão a sério, sabe? Podemos e devemos conversar, debater sobre estes assuntos, mas sem se deixar endurecer a ponto de perdermos o senso de humor. Doenças psíquicas, traumas de infância, tudo é muito sério, mas eu sou daquelas que acredita que até das maiores tragédias temos que saber fazer piada. Afinal de contas, rir é o melhor remédio.

    Beijos, e espero que não tenha se chateado com as minhas colocações.

    ResponderExcluir
  58. Existe um grande preconceito em relação às doenças do humor porque elas são confundidas com a esquizofrenia, ou loucura, no popular. É mais fácil desabafar com uma amiga ou no blog do que procurar um psiquiatra, é admitir que "enloqueceu", e isso pode não pegar muito bem nesta sociedade consumista e nada sentimentalista. Posts como o seu são um alerta que todos deveriam ler.
    Em tempo, indentifiquei-me com você, também sou uma criatura pensante, mas de vez em quando dou uma olhada também em blogs de moda e de maternidade, pois tenho dois filhos. Passarei por aqui mais vezes!
    bj
    Adri

    ResponderExcluir
  59. Vc bem disse que não está medindo, mas o que fazem essas pessoas insuportáveis é exatamente isso, medir pra mostrar que sofrem mais que a pessoa que de fato tem um problema desse tipo...
    Eu fui compulsiva e ainda guardo meus resquícios e sei bem como é quando alguém fica dizendo: "ah é só vc não fazer"... ah não ferra, se fosse tão fácil não precisaríamos de especialistas né?
    Muito bom esse post Dama!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  60. Faça o seguinte so escreva quando tive vontade e fique tranquilo pois estaremos sempre aqui esperando suas lindas mensagens

    ResponderExcluir
  61. Não acho q as pessoas falam q são deprimidas ou q tem toque pq querem q os outros sintam pena, sabia?
    Acho q elas querem "estar na moda", e virou modinha ter algum tipo de probleminha pq virou sinônimo de ser descolado "ser esquisito" e no pacote vêm algum tipo de problema...

    Bjusss

    ResponderExcluir
  62. Banalização daquilo que eu não sinto é lugar comum a todos eu acho...uns menos outros mais.

    agora morri de ri com isso:
    "Voltei com a macaca trepada nas minhas costas!"
    bjo querida

    ResponderExcluir
  63. Saudações

    Adorei o post. Ter Depressão e TPM parece que é "cult", quando na verdade as pessoas que realmente as tem dariam tudo para não ter. Convivo atualmente com a Depressão, mas parei a medicação pois quero engravidar, mas quando as crise vem (sensação de inutilidade, medo, peso no peito e nas costas), a saída é esperar passar. Mas daria tudo pra voltar à minha vida antes dela.

    Elaine

    ResponderExcluir
  64. Eu tenho Transtorno de Pânico desde os 7 anos de idade. Considerando que hoje tenho 45 anos, faz bastante tempo. Na minha infância, meus pais achavam que era frescura e eu estava tentando chamar a atenção. Felizmente, o TP vinha em ciclos, melhorava depois de um tempo. Até que em 1988 ele veio e ficou. Só então obtive um diagnóstico médico e descobri que o medo insano de morrer, a sensação de desmaio, o pavor sem motivo, tudo isso tinha uma causa: um desequilíbrio químico do cérebro. Faz 7 anos que trato com uma psiquiatra maravilhosa, e desisti de convencer as pessoas que, mesmo não aparecendo em RX ou tomografia, nem em exame de sangue, mesmo não inchando e não dando febre, as doenças psiquicas são tão dolorosas quanto as físicas. Fodam-se os ignorantes. Pimenta no olho dos outros não arde. De uma certa forma, o TP me dá uma dose a mais de humanidade.

    Beijoss

    ResponderExcluir
  65. Oi!
    Retribuindo a visita.
    Gostei muito deste teu post.
    Realmente, as pessoas hoje em dia acham que doença mental é cool, imagina só.
    E as pobres crianças? Dê-lhe ritalina! Todas são hiperativas ou tem déficit de atenção.
    bjs

    ResponderExcluir
  66. Aparentemente a ultima moda é ter uma doença mental! Ah não, a penultima, a ultima é ter sofrido bullyng!

    Concordo plenamente com você quando diz que algumas pessoas confundem tristeza com depressão, apelidos mútuos, com bullyng, não tem nada a ver uma coisa com outra!

    Quando era pequena sempre tive apelidos na escola "taruíra" (é um dialeto capixaba, quer dizer lagartixa) porque era branca e magra... caçoavam de mim também por causa dos meus dentes que eram tortinhos (ainda são), nem por isso me tornei uma pessoa traumatizada. É uma coisa natural na escola. Mas existe diferença entre o bullyng de fato, e ele é muito real. Como também existe uma grande diferença entre uma tristeza, um episódio ruim na nossa vida, de um quadro depressivo real.

    Eu posso dizer que vivi, em algumas ocasiões da minha vida, alguns desses episódios de depressão. ACho que tudo começou quando minha avó morreu. Ela era como uma mãe pra mim. Eu tinha catorze anos e comecei a beber e a cortar meu corpo com lâmina de gilette. Fazia sangria em mim mesma (por isso a identificação com o conto do Bukowski) em lugares estratégicos porque na verdade eu não queria que ninguem visse, eu queria sangrar sozinha. Foi uma coisa que começou e parou sozinha, que não falo com ninguem, a não ser com aqueles que porventura tenham visto as marcas, no caso, meu marido, e que hoje me impedem de ir à praia. Fora isso, nada.

    No geral, desde a infancia, eu sempre fui introspecta e tímida, o que na adolescência me fez ser um pouco melancólica, mas isso porque, somou-se a crise existencial natural a todo adolescente ao episódio da morte da minha avó. No fim, acabei me identificando com a cultura(!?) gótica(rsrs menina, que vergonha! rsrs), e aprendi canalizar as minhas dores e as minhas tristezas pra arte e pra escrita,

    Escrever é um exorcismo de certa forma.

    Além de ter duas filhas lindas que me fazem viver inebriada 24 horas por dia de felicidade e um marido que amo um sem conta. :)

    ResponderExcluir
  67. Já reparou como 90% dos seus leitores que comentaram nesse post são/foram depressivos? (me inclua nessa) hahahahahhahahahha

    ResponderExcluir

Eu sempre vou respeitar sua opinião, mesmo que não concorde com ela. Então, por favor, respeite a minha!

Comente com civilidade!

Se seu comentário foi recusado, certamente a explicação está aqui:

http://confissoes-femininas.blogspot.com/2011/07/comente-com-educacao.html