domingo, 7 de novembro de 2010

Reféns da culpa...

Faz um tempo que queria abordar esse tema, mas ele não ficava claro na minha mente para fazer um post. A verdade é que a culpa é o motivo que nos prende a situações sufocantes na nossa vida. Nos sentimos meio que sem ação, sem iniciativa para mudar, angustiados e paralisados ao mesmo tempo. A culpa nos sequestra e nos tornamos reféns dela.

Na minha a vida a culpa agiu de duas formas bem marcantes, nos relacionamentos amorosos e familiares.

Nos relacionamentos amorosos, foram aquelas relações desgastadas que poderiam ter sido terminadas muito antes do que foram, mas se arrastaram por um tempo desnecessário, por preocupação de como o parceiro iria ficar. Sim, você sente uma culpa futura, caso você termine com aquela pessoa e algo dê errado com ela. E essa culpa te aprisiona numa relação que poderia terminar tranquilamente, mas que vai ficando sufocante. Porque quando nos sentimos culpados, a pessoa motivo dessa culpa, sabe disso, ela sente e usa ao seu favor. A gente não ficaria refém desse sentimento tão negativo, se a outra pessoa "pagasse o resgate", ou seja, se ela nos libertasse, se ela simplesmente nos deixasse ir. Ao invés disso, se cria um vínculo nebuloso, em que o "culpado" e "vítima" se unem num laço difícil de se quebrar. Esse é o pincípio da obsessão no Espiritismo, mas o post não é sobre obsessão... rs

No âmbito familiar quantos exemplos temos de culpa entre pais e filhos? Muitos! São filhos que manipulam os pais fazendo com que se sintam culpados e vice-versa. Tenho certeza que você que está lendo meu post agora já viveu isso, ou sabe de uma história.

Meus pais se tornaram velhinhos extremamente manipuladores de culpa. Nossa! É algo que beira ao doentio! E não era para ser assim, já que eu e meu irmão estamos sempre presentes. Tá certo que não me aproximo do meu pai por vários motivos. Mas não me aproximava dele antes de ficar velho, agora então ficou muito mais difícil, mas meu irmão é super presente na vida dele. Minha mãe tem a atenção de nós dois. Mas impressionante como nossos pais produzem uma culpa imensa na gente, só pelo fato de existirmos, de estarmos bem. É algo cruel! Minha mãe manipula toda a situação de forma a parecer que ela está abandonada. Só que ela não está, definitivamente, não! A coisa é tamanha que até minha cunhada já foi aprisionada por essa culpa e se tornou refém dela, também.

Tenho pensando demais sobre isso. Mas não é só agora, há alguns anos penso sobre esse poder da culpa. E tenho feito um trabalho diário na minha mente para não me tornar prisioneira de novas culpas e ver se consigo sanar as já existentes. Tenho feito grandes progressos!

Se livrar da culpa não é um processo fácil. Se fosse, ninguém ficaria nesse ciclo vicioso. Romper essa situação requer esforço e uma sensação de perda enorme. Quando "quebramos" um processo de culpa, um pouco da gente vai junto. Uma sensação infinita de que falhamos, de que fizemos tudo errado. Mas é preciso aguentar o tranco, para mais na frente sentir o alívio.

Comparo esse processo de culpa ao vício de drogas, você sabe que aquela situação te faz mal, mas permanece por pequenos alívios imediatos, sendo que dar um ponto final é que nos livrará e nos trará bem-estar verdadeiro.


Quanto a minha mãe, estipulei as ações que preciso fazer por ela. E o resto não permito que ela manipule mais. Não é justo! Tenho pena do meu irmão que está muito mais enredado nesse processo todo. Nem sei se um dia ele vai conseguir melhorar isso para ele. Mas o meu dever comigo mesma é tentar tornar isso o menos doentio possível na minha vida. E isso farei!

E você? É refém da culpa?

70 comentários:

  1. Já me senti culpada em muitas coisas que fiz.
    Hoje administro bem a mesma!
    Já encaro que as nossas escolhas sempre levam a uma perda,e nem sempre essa perda é ruim.
    Então pra que me culpar?
    É um processo seletivo,sabe?
    Já a culpa com os pais,eu não tenho nenhuma!
    Minha mãe morreu muito antes de eu fazer algo que a magoasse e meu pai...esse a gente abafa pq nunca foi flor que se cheirasse,e me sacaneou até o último minuto de vida.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Dama, eu fui refém de culpas por quase toda minha vida.
    Só agora estou me libertando delas, pois entendi que não podemos nos culpar pelo que fizemos, pois era o que achávamos ser o certo no momento.
    As pessoas querem nos manipular através de suas inseguranças doentias e usam de nossa ingenuidade pra isso.
    Não somos responsáveis por ninguém, cada um tem que dar conta do seu destino e do que criou pra sua vida.
    O nosso único dever é estar bem e não podemos deixar que os outros nos façam sentir culpados por qualquer coisa.
    Hoje penso que devo ajudar os outros mas isso não implica em estar presa a qualquer situação.
    A melhor coisa a fazer nesses casos é ter uma conversa franca, expor os sentimentos, se a outra parte não aceitar paciência... se julgar que somos egoístas aí já é problema dela.
    No começo é difícil e a outra parte vai fazer de tudo pra não perder o controle, mas se formos firmes com o tempo vão ter que aceitar.
    Fico aqui torcendo por você, beijos e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Dama, confesso que esse assunto é muito complicado e complexo. Sou refém da culpa e ainda não consegui me desamarrar.. Ainda é dificil porque são 27 anos de luta diária e só a bem pouco tempo tomei coragem de pelo menos bater de frente com algumas situações. Ainda estou em fase inicial e não sei quanto tempo mais levarei para mudar tudo.
    Não sei se você lembra de um post que escrevi tempos atrás sobre resignação/conformismo, mas era sobre culpa também, só que nas entrelinhas...

    O seu texto foi muito esclarecedor e espero que eu chegue logo no seu grau de evolução (rs).

    bjos

    Aninha MP

    ResponderExcluir
  4. Já fui tb mas me libertei, mas a pessoa não se conforma com isso, tenta me manipular de novo e sem êxito algum, qdo do um basta é para sempre.

    Bom domingo.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  5. Oi Dama gostei muito do post! Culpa acho que todos nos carregamos, mas, sinceramente, nunca me senti refém dela. Acho que munhas culpas são as normais: tipo preciso dar mais atenção para minha mãe e meu pai, quando durante uma semana inteira trabalho até mais tarde e chego em casa com minha filha dormindo, e tento compensar no final de semana.
    Lá em casa, eu , meu irmão e meus pais administramos bem todas as "exigências" com tempo para nós mesmos também.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  6. Dama,

    Você conhece minha mãe de onde???rsrs

    Quando idosas ficam assim mesmo...eu já aprendi...é a carência...tornam-se chatas..insuportáveis as vezes...mas é preciso...
    Amo minha mãe mais que tudo...mas as vezes tbem é dificil pra mim e meus irmãos...

    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  7. Oi Dama... Culpa é um inferno!
    Até hj como vc bem colocou comparando com as drogas... Eu no alto dos meus 52 anos ainda luto, menos agora contra esse sentimento.
    Mas durante um enorme período da minha vida fui perseguida pela "culpa,culpa,culpa". Muito bem compartilhado seu post. um beijo

    ResponderExcluir
  8. Uau, Dama!

    Que post porreta!!

    Eu já falei dele antes, e é irresistível deixar de fazê-lo novamente. Você já leu o livro "Dificuldades do Amor", do Flávio Gikovate? Um estudo sobre os tumultos na vida a dois, com destaque para os casos de paixão e suas semelhanças com o uso de drogas... Vou citar um fragmento dele para você perceber a relação que estabelece com seu texto: "A atitude de certos pais em relação a seus filhos e noras e tal ordem provocativa, que não me parece de forma alguma 'sem maldade'; parece uma contribuição intencional à desarmonia do casal, movida tanto por ciúmes do filho quanto por inveja de sua aparente felicidade"!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. A culpa faz parte das nossas vidas até por sermos imperfeitos. Mas o simples fato de abrirmos diálogo franco e tranquilo, sem traumas, com nosso sentimento de culpa já nos remete a situação bastante saudável. Vale acrescentar que o mais importante não é dominar a culpa e sim compreende-la no sentido de se alcançar convívio que não nos faça refém dela.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  10. Dama

    Não sei se gosta ou não destes selos dos blogs, mas indiquei o seu blog para o Prêmio Dardos.

    Passa lá no meu pra pegar o selo!

    Beijocas

    Loisane

    Perdão..colei o do Edu no seu....

    ResponderExcluir
  11. Sendo bem sincera, eu passei boa parte dos meus 28 anos refém da culpa, posso dizer que com a terapia, entendendo melhor como isso funcionava me libertei de uns 80% dela mas ainda há coisas que preciso melhorar. Eu era muito manipulada pela culpa pelos meus pais, pelas pessoas, pelas situações e sofria muito. Me sentia presa, limitada sempre com um peso enorme dentro de mim. É realmente difícil se libertar disso, é preciso vigiar e ter um olhar bem atento e observador pra identificar essa manipulação ou de onde ela está surgindo e cortar suas raízes mas é possível. Engraçado que quando vc começa a fazer isso até estranha no início sabe...e se pergunta: eu não deveria me sentir culpada? cadê a culpa? mas depois percebe que se libertar dela é algo muito bom!

    ResponderExcluir
  12. Acho que será difícil encontrar alguém que nunca foi refém da culpa.

    Eu, por exemplo, me sinto cheia de culpa toda vez que julgo meus pais (que sempre me apoiaram e me deram de tudo!). Quando a gente cresce, começa a entender que eles não são perfeitos e muito menos super-heróis... são humanos cheios de qualidades e defeitos. Me sinto ingrata muitas vezes... sei lá...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Pois é...
    como terapeuta, o que mais faço é tentar retirar as culpas do cenário e inserir apenas as "responsabilidades" pelas escolhas de cada um...
    Como ser humano...nossa... este post foi pessoal né? rs
    Adorei... Obrigada
    Beijos da Juju

    ResponderExcluir
  14. o texto é muito bom, a reflexão nem se fala! muita gente tá no meio do redemoinho da culpa e nem sabe disso.

    Meu pai era o campeão do jogo da culpa. Sempre na tragédia, no papel da vítima. A coisa só mudou qdo aprendi a não dar bola para o jogo, e sim fazer dele uma grande piada.

    Era meu pai fazer um drama e eu começava a falar qualquer bobagem...do tipo: pai, como é que faz mesmo aquele tempero do churrasco? isso desconcertava o véio que ele parava na hora rs.

    ou fazia a culpa ao contrário: pai...eu até queria fazer isso que vc pediu, mas desse jeito q vc fala eu lembro de tanta coisa triste que tenho vontade de fugir daqui...e nunca mais voltar... e fazia um drama ainda maior rs.

    funcionava que era uma beleza.
    jogo da culpa é horrível, desgasta qualquer relação, ninguém aguenta se sentir pressionado, cobrado e devedor a todo instante.

    bjs! bom domingo, sem culpas nem pra comer!

    ResponderExcluir
  15. já me senti mto culpudada na vida , e por algo que não tive culpa , mas acredite hoje encaro de forma diferente , acho que depois do sofrimento vem o amadurecimento em alguns pontos, e tudo encaro como opção , tenho sempre em mente 2 caminhos e tenho o direito de escolha, só que depois que escolhi, um abraço...assumo sempre a responsabilidade do caminho rsrsr acho assim mais fácil bjs

    ResponderExcluir
  16. Lendo a parte: "No âmbito familiar quantos exemplos temos de culpa entre pais e filhos?"
    Nossa...e como, a culpa me ronda constantemente em certas ocasioes com filhos aqui ou com a minha mae!!!
    Deteeeeeeeeeesto quando me sinto assim...com a minha mae entao....ainda mais!!!!!!!!
    E digo mais, fico com raiva dela por estar me fazendo sentir culpada, que horror!!
    Lendo o seu post, constato ser algo comum em algumas maes em um ponto de suas vidas, esse tipo de manipulação.
    Nao quero ser assim de jeito nenhuuum!!!!
    Exatamente....essa sensação de culpa nos traz a sensação de fracasso,eu tambem luto contra isso sempre e tenho melhorado aos poucos.
    Sinto que muitas vezes o fazem por egoismo e alivio proprio e caimos na armadilha!!!
    Ameeeeeeeei o post minha Dama!!!!
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  17. Pois é...minha mãe é um doce, e sempre foi entocada em casa. Eu puxei ao meu pai, sempre que posso estou na rua, gosto de ficar em casa, mas adoro ferver na rua, viajar, ate meu trabalho exige isso de mim. Pois que desde adolescente minha mae indiretamente me culpaa por nao parar em casa, se sentia so e reclamava tanto de eu ficar na rua que eu cedia e acabava deixando de fazer algumas coisa por causa dela. So quando fui morar fora da cidade que me livrei disso. Tipo a escolha foi dela de gostar de ficar, minha escolha e sair, e fazer o que me da na veneta. Um dia disse para ela: eu nao sou vc!!!!
    Acabaram as amarras...
    grande bj, boa semana!!!

    ResponderExcluir
  18. sobre relações amorosas, vc descreveu exatamente o q ocorreu com meu último relacionamento sério... durou 5 anos, mas deveria ter acabado pelo menos uns 3 anos antes do q acabou... pq se tornou uma relação doentia q foi se arrastando simplesmente por "culpa".

    O bom de passar por isso é saber reconhecer para não cair novamente numa relação assim.

    ResponderExcluir
  19. Sim, definitivamente sim. Já fui mais presa a isso, hoje apesar de ainda me sentir muito afetada, vivo mais liberta.
    No meu caso é apenas minha mãe a bruxa da história. Estou programando um post sobre isso, mas acho que ainda não chegou a hora, logo logo posto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Eu tento me libertar da culpa, todo dia um pouco, mas as vezes é dificil, um amigo meu me disse uma vez que já tinha feito as pases como a culpa ou algo do tipo... Eu ainda não cheguei nesse nível em alguns ambitos da minha vida, tenho alguns arrependimentos... enfim... talvez no futuro isso melhore, especialmente no dia em que eu me dispor a trabalhar isso, a trabalhar a culpa e lidar com ela, por hora deixo ela em um canto qualquer da casa onde ela incomode mais incomode pouco!!!

    ResponderExcluir
  21. Estou tentando me livrar delas,difícil, difícil...
    Sinto culpa por tudo, o tempo todo.
    Mas, quero saber sobre obsessão no Espiritismo.

    Adoro demais seu blog, menina!

    Beijos e uma boa semana, sem culpa!

    ResponderExcluir
  22. Dama
    Eu faço análise há 13 anos e a culpa sempre é o assunto em pauta. Já nem tenho mais meus pais e sinto culpa sobre muitos fatos vividos. Mesmo sendo uma filha boa, uma mãe que tenta ser legal sinto culpa. A culpa é algo que acompanha nós seres humanos desde o nascimento, o que não podemos é paralisar por conta dela. Eu to aprendendo, pois sou muito perfeccionista e em tudo acho que poderia ter sido melhor. Enfim uma neura mesmo. Mas chego lá! Ou não?
    Bom domingo! Bjsssssssssss

    ResponderExcluir
  23. Sabe, Dama, admiro muito sua coragem em colocar certas coisas da forma como são.
    As culpas são SEMPRE destrutivas, na minha opinião, não há culpa boa. Nem sei se culpa serve pra alguma coisa, mas tudo bem, não era nem isso que eu ia comentar.
    O fato é que as culpas existem mesmo, dentro das relações, mas como você disse, cabe à gente mesmo não se envolver nessa teia perigosa. Pensar que nós somos os responsáveis por nossas vidas e por tudo que nos conduziu a elas. E, da mesma forma os outros. Eles é que são responsáveis, não nós.
    Sei que é difícil, mas nada é fácil nessa vida mesmo.
    Mandarei um e-mail pra você, tá? Explicando um aspecto que considero importante.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  24. Dama, que difícil! Quem nunca sentiu culpa? Quem nunca pensou em deixar o outro culpado?

    Achei super lúcida sua postura!
    abs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  25. Acho que sofri mais com minha separação do que meu ex-marido, justamente porque eu me sentia muito responsável e culpada por não querê-lo mais...
    Meu pai também é fã da culpa, me custou muitos anos de terapia para aprender a sair dela, hoje continuo me esforçando diariamente para não voltar a ser refém...
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  26. Dama,
    não. Não sou refém da culpa. Já senti pena, culpa, nunca.
    Mas nunca deixei de fazer o que devia fazer por sentir pena.
    Não me deixo ser manipulada. É muito ruim conviver com pessoas manipuladoras, principalmente quando são da família, mas se percebo que está acontecendo, corto o mal pela raiz, antes que ele cresça.
    É muito desgastante !!
    Boa semana !
    Beijão

    ResponderExcluir
  27. Olha eu aqui!!! *risos*
    Nossa! Gostei do seu post! E é muita verdade o que você escreveu: existem momentos que você se sente tão culpada por determinada coisa que até doi o corpo, né? E eu ia falar uma coisa... aí li no seu post: "Esse é o pincípio da obsessão no Espiritismo"... eu ia falar exatamente isso... kkkk
    Graças a Deus não sou refém de nenhuma culpa. No lado amoroso já cheguei a sentir, sim. Aliás, quem nunca sentiu? Mas no familiar, graças a Deus, nunca! E espero nunca sentir isso! Sou refem somente do amor mesmo... *risos*... somos muito unidos e isso nunca rolou!
    Espero que você encontre mesmo uma maneira de se livrar disso, pois deve ser um fardo viver com essa situação e essa sensação.
    Um beijo, menina.
    (não consigo te chamar de Dama de Cinzas... acho pesado demais e vc parece ser meiga!.. kkk)

    ResponderExcluir
  28. Dama, adorei o post.
    Eu tento me abster, mas sou refem da culpa..por muitas coisas, pelos erros, pelo meu relacionamento merda, pela minha família..
    Juro que estou tentando mudar, mas é dificil...tento mudar, mas parece que isso nos acompanha...

    Seu texto é altamente construtivo. Parabéns.
    Sonhadora

    http://2010palavrasaovento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  29. A culpa é algo nato a espécie humana. Ela se reproduz a cada sociedade. No entanto, talvez esteja mais presente nessa sociedade mais individualista, uma vez que somos cobrados pela perfeição o tempo inteiro. Nisso, acabamos nos aprizionando dentro de nossa própria culpa, o que para mim é o pior: A cobrança de si mesmo e não a que os outros impõe sobre você. Somos cobrados em ser o filho perfeito, o aluno perfeito, a namorada perfeita, a pessoa perfeita... Sendo assim, é quase impossível não sentirmos culpa. Para que isso acontecesse teriamos que acabar com todas as expectativas em relação a vida. Bjus para ti, Dama. K.

    ResponderExcluir
  30. Sou refém de várias...mas pronto para mudar isso..
    bjs

    ResponderExcluir
  31. Estar se questionando todos os dias para não entrar em novas armadilhas de culpa é o caminho mais sensato! Já é um grande passo na verdadeira consciência! Mas algumas pessoas USAM a culpa para simplesmente sobreviverem...Se alguém não larga o osso é porque tem ganho...Mesmo sofrendo muitas pessoas preferem a acomodação que a mudança. Sabe que desde pequena nunca me incomodei com o que os outros iam pensar? Se conseguimos levar isso para a vida adulta (diferente de ser egoísta), mais um passo para libertação das amarras... Beijo grande, muita luz pra você sempre!

    ResponderExcluir
  32. Muitas vezes não tenho tempo de ler todos os comentários dos teus posts... aí depois venho com tempo e leio... mas toda vez que vou descendo a barra e vejo um comentário do Alê eu sempre paro pra ler. Mesmo estando sem tempo. rs

    E por incrível que pareça eu ia falar justamente isso... que quando alguém vem com querendo me fazer sentir culpada por algo eu reverto o quadro na mesma hora. Um caso básico que tem acontecido comigo ultimamente é meu pai vir se queixar da forma como meu irmão tem tratado ele, e tal... fazendo todo um drama pra pousar de vítima... querendo que eu me sinta culpada pelas ações do meu irmão... pode isso??? Daí eu digo:

    bem feito...sabe porque eu trabalho a minha memória? Pra quando alguém vier se fazer de vítima eu passar na cara dela o que ela fez a mim. O senhor se lembra quando tomava os presentes que dava pra mim pra dar a ele? E etc... mais etc... e etc de novo...

    Menina... ele sai correndo... não fica pra ouvir tudo rs.

    E faço a mesma coisa com todos... e a dica é... treinar a memória rs. Que doido né... um assunto tão sério e eu falando asneira rs.

    Mas quanto à parte da obsessão que você falou no começo... vejo caso de filhas que exploram as mães e e os outros filhos ficarem revoltados com a irmã... certa vez eu tomei coragem e disse:

    Só existe o explorador quando existe aquele que aceita ser explorado.

    É óbvio que quase fui massacrada... mas tudo bem... faz parte da sinceridade.

    Ah! Tá de visual novo... tá igual a mim enjoando dos móveis da casa rs.

    BeijoZzz

    ResponderExcluir
  33. Olá, Dama.

    Já me senti culpada em várias ocasiões... é mto ruim. Hoje, faço de td pra não me sentir mais...

    Bjos

    ResponderExcluir
  34. Tenho tentado tanto me livrar delas. Ah, esses seus textos me fazem refletir e muito querida.
    Muitas delas já me livrei, mas ainda tenho tantas. Preciso muito me refazer.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  35. Ah Dama nesses dois casos eu me identifiquei contigo viu.. Eu também “empurrei com a barriga” um relacionamento que pra mim já estava acabado, por culpa ou medo e sabe sinto mais culpa por tê-lo adiado, por ter perdido meu tempo e principalmente gastar o dele! Já minha mãe é igual a sua, vive manipulando a culpa para meu lado.. na questão abandono, mas eu não me sinto culpada, mas ela consegue me sufocar a maioria das vezes nessa culpa o que me desespera em certos momentos.. Acho que mães esquecem que a gente precisa viver também. Que filhos saem debaixo das asas depois de crescidos né?

    ResponderExcluir
  36. O problema é que não sei quando sou refém da culpa. É difícil julgar certas atitudes que ainda não amadureceram e por medo não tomamos providências!

    Gostei muito da sua imparcialidade e da elaboração do texto!

    Bjo!

    ResponderExcluir
  37. Tenho procurado me livrar da culpa.Sempre fui manipulada por meus pais e isso me fez muito mal. Graças à isso sou insegura,tenho medo de tomar decisões,morro de medo de tudo, e sempre achei que a culpa de muitas coisas darem errado na minha vida era minha. Hoje vejo que ninguém teve culpa, são coisas que acontecem.

    Beijos, e superação sempre ! Hoje escrevi no blog, beijo !

    ResponderExcluir
  38. Perfeito. Caiu como uma luva para a vida que eu levei até alguns anos. Depois, procurei ajuda.

    Fiz 5 anos de terapia e me desvencilhei das maiores culpas.

    Fiquei muito mais inconsequente, aprendi a dizer NÃO quando não me agrada, aprendi a dizer SIM ao que me faz bem, sempre deixando a culpa de lado.

    Resultado: pareço fria e distante para algumas pessoas, mas sou seletiva nos meus afetos e no uso do meu tempo. Ganhei qualidade de vida.

    Obrigada pelo post, muito útil.

    ResponderExcluir
  39. Oi Dama!

    Importantíssimo esse assunto... certa vez ouvi q a culpa é o estopim de vários processos negativos graves q iniciamos em nos mesmos.
    E passando os olhos ra pidamente enos comentarios q vc recebeu, muitas pessoas falam dos pais. Eu vivo como vc descreveu: vendo minha mae enredar meu irmao nisso e eu tentando me libertar e ajuda-lo.
    A cunhada?
    Como a sua, tb já está refem. Acho uma doença tb. Super nocivo isso à todos q "foram sequestrados pelo processo e pelo bandido" tanto pros q estão à volta .
    Eu fiz alguns meses de terapias alternativas pra melhorar um pouco os danos disso, acredita? Teve uma época q eu estava me sentindo tão culpada, q se alguem me falasse, se atira de um penhasco, pq vc é culpada mesmo, eu o faria...
    Só de reike foram meseees, e minha sorte foi q a terapeuta era excelente.

    Um beijo
    E tks pelo post! Super bacana

    Michelle

    ResponderExcluir
  40. Minha cara Dama...

    Incrivel o poder de sintese que aplicou nesse seu texto...isso reflete tanto da minha vida, que enquanto lia, me vi em cada palavra sua.

    Por tempos me senti culpado por algo que não tinha ideia...saia de casa e não me divertia, por que pensava que algo estaria acontecendo com o pessoal por lá.

    Peço a gentileza de me deixar abosrdar esse mesmo tema no meu blog...preciso falar sobre isso que acabei de perceber atraves da sua analise...

    É como se tivesse conversado com um analista, e ele abrisse meus olhos..rs rs rs...é por isso que eu adoro os meus amigos de blog...vcs são melhors que uma terapia..

    Beijo enorme pra vc...saudade de conversar contigo no MSN...to add aos favoritos para saber qdo vc tem novidades...

    ResponderExcluir
  41. É muito complicado mesmo essa coisa de sentir culpa. Realmente, as pessoas se aproveitam dessa situação e manipulam as pessoas pra sempre conseguirem o que querem.

    Só nos resta fazer o que você tem feito. Lutar contra isso.

    O problema é que além da relação com o manipulador, existe o fator "sociedade", que está sempre alí pronta pra julgar todo mundo. Sem sequer conhecer direito os fatos.

    Uma coisa que acho abominável é que as pessoas "compram" as histórias que os outros contam sem procurar saber dos detalhes. Simplesmente acreditam no que a pessoa está falando.

    Ex: eu chego pra uma pessoa e digo que não gosto de você porque você é sem noção. A pessoa simplesmente ouve e, claro, sai por aí comentando com todo mundo. e todo mundo passa a acreditar que vocÊ é sem noção. Ninguém para pra perguntar: porque eu acho vocÊ sem noção? o que você fez? Assim ficaria mais fácil tirar as próprias conclusões, né? E mais difícil pra mim mentir e manipular.

    Enfim... as pessoas se preocupam muito com o que a sociedade vai pensar. Com o que as pessoas vão dizer se o manipulador sair por aí contando que você não quis satisfazer o capricho dele. Porque simplesmente as pessoas ouvem, comentam entre si, mas raramente chegam pra a pessoa alvo dos comentários pra contar o que está sendo dito e dar a ela a oportunidade de esclarecer.

    É difícil realmente. Mas... do que é que vale a opinião dos outros? Penso muito assim. De nada acrescenta à minha vida o que terceiros pensam sobre minhas atitudes. Pessoas que não sabem a verdade dos fatos e/ou que muitas vezes sabem mas fingem acreditar na história do manipulador somente pra falar mal de você e denegrir sua imagem (leia-se: invejosos).

    Mas eu nunca tinha pensado nessa "técnica" que você mostrou aqui: determinar que ações fazer ou não... até onde ir.

    Geralmente eu avalio o momento. Talvez a sua forma de agir seja mais segura, né? Dá pra pensar com mais clareza.

    Enfim... refletindo!
    rsrs

    bjos

    ResponderExcluir
  42. Nossa, eu durmo e acordo com culpa de tudo...
    Culpa de não ter estudado na universidade dos meus sonhos, culpa de não ter feito coisas q eu devia ter feito, culpa de ter terminado relacionamentos por impulso, culpa, culpa, culpa...

    Mas o meu problema é ter tido atitude demais, não de menos. Nunca me prendo a nada sem querer, e as vezes acabo sendo impulsiva...

    Bjusss

    ResponderExcluir
  43. Já fui muitas e muitas vezes. Essa semana decidi me livrar de mais uma "culpa". Apesar desse sentimento estranho de perda, sinto-me aliviada. Definitivamente não é fácil quebrar o ciclo. Mas é necessário.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  44. Olá Dama!
    Encontrei seu blog em um blog amigo...adorei seu espaço, seus txtos...
    Já fui refém sim da culpa, hoje não mais...
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  45. Dama!

    Quanto mais te leio mais fã eu fico! Temos mais coisas em comum do que possa parecer. Sou refem da culpa, o grilo adora passa-la na minha cara sempre, é quase um mantra diário do FD!%¨$#¨%$.Sou conscientemente manipulada pela minha mãe, por culpa da relação doentia que ela imputou aos filhos notadamente eu, caçula de mais um relacionamento desastroso, e blá blá blá blá Exercício de liberação da culpa é assumirmos as rédeas da nossa vida com consciência de que cada um é responsável pela sua e não adianta apontar o dedo para ninguém, se sentimos é porque permitimos que o outro invada nosso espaço e sem culpas. Me empolguei, adoro esse tema, e morro de culpa, até escrever... Beijão

    ResponderExcluir
  46. É verdade...tava lendo o comentario da Va e aí que reparei no novo visual!!!
    Nossa senhora...ando meia distraida!!!Ficou fofo,bem psicodelico, leve, gostei muito!!!
    Se tiver de bobeira, respondi o seu comentario la.
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  47. Oi Dama!!!
    A culpa é um dos principais temas nas minhas sessões de terapia. Tenho muitas e luto diariamente para tirá-las da minha vida, coisa que está sendo muito difícil. Mas eu chego lá.
    Mais uma vez, você conseguiu mexer em meus sentimentos com seu tema.
    Parabéns!!!
    Adorei as mudanças, ficaram ótimas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  48. Eu dificilmente fico com o sentimento de culpa. Quer seja na família ou relacionamentos.
    Eu tinha uma namorada que tinha ficado com o ex dela durante cinco anos sem sentir nada, só pq ele estava tendo crises de enxaqueca constante, e dizia "se vc me largar eu vou morrer". Depois de cinco anos, ele deu um ponta pé nela.
    Ela tentou fazer o mesmo comigo e eu mandei o recado "vc não vive sem oxigênio, e se morrer, deixa o convite para o velório". Simples assim. Não consigo abrir mão do meu eu e de minha vida em favor de ninguém, nem quero que façam por mim. nada de sacrifícios.
    Boa sorte com sua mãe.
    Bjs

    ResponderExcluir
  49. Ok, sabe, eu oficialmente te odeio um bocadinho xD (kiddin) eu estou há semanas com a ideia de escrever sobre culpa. mas é do ponto de vista exactamente oposto. ia postar no dia que vi este titulo, então guardei a ideia pra mais tarde (pra não ficar mal)
    Eu fui refém da culpa já em campo amoroso. a minha ex namorada se apercebeu disso e aumentou imenso a fasquia do resgate (usando a sua metáfora)... foi um saco pra sair da relação. e ainda se arrasta até hoje (desenvolveu uma obsessão e talz). quanto aos meus pais.... é mais ao contrário. o meu pai usa imenso da culpa, para alem da manipulação. estive dois anos num cursinho que ele escolheu pra mim e me pressionou em tirar. ao 3º ano eu estava completamente odiando o curso, e desisti. sou completamente refém da culpa a qualquer coisa que faça por isso. e quando não é isso atira em cara que eu não dou atenção a ele.
    já estive quase para sair de casa diversas vezes, mas o peso da culpa me mantém preso por aqui... é uma droga mesmo xD.

    ResponderExcluir
  50. Por minha culpa minha culpa minha máxima culpa. assim se reza e se bate três vezes no pito. portanto a culpa acompanha-nos sempre por um motivo ou por outro , todos nós nso sentimos culpados de uma situação. seja no âmbito familiar,amoroso, profissional ou outro
    kis :=)

    ResponderExcluir
  51. Adorei seu blog, visitarei sempre e ficará nos meus favoritos (os dois).
    Todo mundo, de ua forma ou de outra, se sente culpado por alguma coisa, acho isso absolutamente humano. A dose é que é a medida...
    Grande bj,
    Isa
    http://a-vida-de-isa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  52. Dama, que saudade de ler seus posts, só não fico com sentimento de culpa pq ando enrolado e até sem estímulo para escrever.

    Seu texto está ótimo, muito bem abordado esse assunto, e a primeira coisa para se resolver um problema é identificá-lo. A culpa nada mais é que chantagem.

    Tenho plena certeza que você vai achar o caminho para minimizar os estragos dessa manipulação emocional.

    bjs

    ResponderExcluir
  53. Eu devo ter algumas culpas, sim, mas a que me vem agora é uma história de um relacionamento que tive há mais de 20 anos.
    Ele era muito apaixonado por mim e eu nem tanto, mas, mesmo assim, por motivos errados, achei que daria certo me unir a essa pessoa.
    Acontece que não deu certo e alguns meses depois eu mudei de ideia, deixando o coitado em frangalhos, sem chance de volta.
    Fiquei sabendo por intermédio de várias pessoas que ele estava mal e eu fui guardando aquilo tudo. Até que um dia, assistindo um episódio de Sex and the city, sobre karmas (rsrsrs eu não sou espírita nem acredito), resolvi chamá-lo para conversar e me desculpar (aquilo estava me incomodando)
    Primeiro mandei um e-mail morrendo de medo de levar um fora. Mas ele é muito generoso, me respondeu super carinhoso, trocamos várias mensagens etc e tal até que almoçamos e ele me deu um abraço até apertado demais. Enfim, foi assim. Mas, no fundo, ainda tenho culpa - apesar dele já ter me desculpado várias vezes - pelo que ele passou por mim. Mas aconteceu e eu não tenho como voltar atrás.
    (Vou postar esse comentário pq achei de ficou legal. hahahaha)
    Vc sempre com ótimos assuntos, Dama
    Um beijo pra você

    ResponderExcluir
  54. ººº
    Sabes, a própria consciência é o mais feroz acusador do culpado até porque a culpa não está no sentimento, mas no consentimento.

    Fiz-me entender?

    BjOO

    ResponderExcluir
  55. Com o tempo se aprende muito sobre a culpa...näo vale a pena...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  56. A culpa é aquela que vem e te resgata no meio da noite e rouba teu sono. Te faz refém de idéias e perfeições. A culpa dói. sempre!

    Um beijo linda. bom final de semana

    ResponderExcluir
  57. Não vale a pena se sentir culpada... Vale mais perdoar as pessoas por quem sentimos culpa!
    Perdoar ensina a ficar com o coração mais leve!
    Não tenho culpa pq tudo q eu pude fiz pelos meus...
    Meu coração é leve nesse sentido!

    bjo

    P.S. Gostei das modificações q a Elaine fez no blog!

    ResponderExcluir
  58. Oi Dama.
    Eu vivo me sentindo culpada, até por aquilo que não causei.
    Sou filha mais velha, cresci entre muita repressão e penso ser essa a causa de me sentir assim.
    Mas não sou uma companhia desagradável entende?
    Gosto de rir, estar entre amigos e de todas as coisas boas da vida.
    Sou uma pessoa muito procurada pelos amigos e familiares.
    Mas se algo não dá certo na vida de um deles ... estou eu sofrendo e me culpando.
    Afe...
    Bjos

    ResponderExcluir
  59. Oi,
    Essa é a minha primeira visita...já li vários comentários seus no blog da Elaine Gaspareto, mas acho que hoje eu tinha que vir...caramba! Parece que o post caiu como uma luva! No meu caso é a culpa dos relacionamento. É bem isso que você falou, a gente não põe um fim porque se culpa do que pode acontecer à pessoa se tudo terminar e fica nesse "sufoco",nessa prisão sem grades. Valeu...
    beijos, Renata

    ResponderExcluir
  60. Postei um texto agora pouco que fala mais ou menos sobre isso... dá uma olhada

    ResponderExcluir
  61. Oieeeeee

    Tem um presentinho pra vc lá no meu blog!! =)

    Espero q goste, tá!

    Bjussss

    ResponderExcluir
  62. Oi Daminha, saudades daqui
    Realmente a culpa nos acompanha, seja ela com fundamento ou não. O pior é qdo não conseguimos aliviar a bichinha e aí ela cresce feito dragão cuspindo fogo.

    Bjos meus

    ResponderExcluir
  63. Há pessoas que fazem besteiras na vida, se dão mal, e tentam fazer a gente se sentir mal junto com eles.

    ResponderExcluir
  64. Algumas ainda me prendem.
    Mas outras, nossa!!! Levaram uma surra da minha terapeuta que, me fizeram taooo bem!!!
    Como terapia faz bem a vida, a alma!!!!
    Nem me lembro mais de certas coisas e, se me lembro, tenho vergonha...

    Uma coisa é fato: Os outros só fazem com a gente o que a gente permite.
    É muito mais facil colocar a culpa no outro, óbvio. Mas o problema está em nós mesmos. NÓS é que permitimos....

    ResponderExcluir
  65. Muitas pessoas são mestras em manipular, ou tentar, os outros através da culpa, difícil se livrar dessas pessoas, principalmente quando são familiares tão próximos. A gente até tenta se livrar da culpa, mas se lancam argumentos que nos culpam o tempo todo, difícil não nos sentirmos pelo menos um pouquinho culpados de vez em quando, ou pelo menos assediados pela culpa, o que já chateia demais.

    Mas vamos tentando.

    Beijo

    ResponderExcluir
  66. Oi, Dama!
    Ontem assisti um ep de House e lembrei deste post. É da 2ª temporada. A paciente necessita de uma doação de fígado e a namorada dela doou, mesmo sabendo que a parceira pretendia largá-la. A doadora disse a Cameron que doando o fígado faria a parceira se sentir culpada e, deste modo, ela nunca lhe daria o pé na bunda que pretendia dar. Fala sério...

    Bjos

    ResponderExcluir
  67. Fui muitos anos refém da culpa. Agora melhorei. Um pouquinho ksksksks

    ResponderExcluir
  68. Fui muitos anos refém da culpa. Agora melhorei. Um pouquinho ksksksks

    ResponderExcluir
  69. Já fui... ainda bem que a terapia existe.Eu me alimentava de culpa produzindo mais culpas pra poder "viver"...

    ResponderExcluir

Eu sempre vou respeitar sua opinião, mesmo que não concorde com ela. Então, por favor, respeite a minha!

Comente com civilidade!

Se seu comentário foi recusado, certamente a explicação está aqui:

http://confissoes-femininas.blogspot.com/2011/07/comente-com-educacao.html